Fabrice Coffrini/Pool via Reuters
Fabrice Coffrini/Pool via Reuters

Imunidade de rebanho para covid-19 deve ser atingida somente com 65% de infectados, diz OMS

A entidade reforçou que a imunidade coletiva diz respeito à cobertura de vacinas e não é uma estratégia válida para deixar a doença se espalhar naturalmente

Mílibi Arruda, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 13h36

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, afirmou nesta quinta-feira, 27, que a taxa de pessoas infectadas necessária para atingir a imunidade de rebanho para covid-19 deve ser de 65% a 70%. 

“Nenhuma doença foi controlada somente por permitir a imunidade natural ocorrer”, acrescentou a cientista-chefe durante coletiva de imprensa.

Soumya explicou que a imunidade coletiva levaria muito tempo para ser atingida, já que somente de 5% a 10% da população mundial foi exposta ao novo coronavírus até agora, em média - o que significa que a doença ainda tem muito espaço para se propagar. 

O número pode ser maior em cidades de transmissão intensa. Em locais de muito contágio no Brasil, como São Paulo e Amazonas, pesquisas apontam que a porcentagem de pessoas que teve contato com o vírus foi de 18% e 30%, respectivamente - ainda bem abaixo do previsto pela OMS para a imunidade.

Alguns estudos sugerem que o índice necessário para levar à proteção da população possa ser 43% ou até 20%. A cientista ressaltou que pesquisas ainda não estabeleceram o número exato mas, em geral, quanto mais transmissível a doença, maior a proporção.

De acordo com Soumya, cada pessoa com covid-19 transmite para outras duas ou três - número que pode ser maior que quatro, a depender do local. Em relação ao sarampo, doença bastante contagiosa em que cada infectado transmite para 15 ou 20 pessoas, a taxa para imunidade coletiva é de 90% da população. ​

A líder técnica da resposta à pandemia da OMS, Maria Van Kerkhove, lembrou que a imunidade de rebanho normalmente se refere a quantas pessoas devem ser vacinadas para impedir a transmissão, não à taxa da população que precisa ter a doença.

Atualmente, segundo a entidade, 167 vacinas estão sendo desenvolvidas, sendo que seis dessas já estão no último estágio de testes em seres humanos. 

Maria reforçou que permitir que o novo coronavírus se espalhe livremente, sem estratégias de controle, não é recomendado. “Tentar atingir a imunidade de rebanho naturalmente é muito perigoso, porque muitas pessoas morreriam”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.