Inca suspende até terça três tipos de exames para pacientes externos

Exames suspensos a quem não é paciente do Instituto Nacional de Câncer são imunofenotipagem, citogenética e biologia molecular

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

02 Julho 2015 | 20h51

RIO - O Instituto Nacional de Câncer (Inca), sediado no Rio de Janeiro, anunciou a decisão de suspender até a próxima terça-feira, 7, a realização de três tipos de exames em pacientes de fora da unidade de saúde. A decisão não afeta pacientes do Inca. Segundo a instituição, o serviço voltará a ser oferecido no próximo dia 8.

Os exames temporariamente suspensos a quem não é paciente são imunofenotipagem, citogenética e biologia molecular. Segundo o Inca, a suspensão não ocorreu por falta de recursos, mas por uma questão burocrática: o respeito ao prazo legal para conclusão dos processos licitatórios para compra de materiais.

O laboratório que realiza esses exames foi criado em 1989 para atender pacientes do Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo), uma unidade com 12 leitos. Em 2007 o Inca passou a permitir que pacientes de outros hospitais públicos realizassem exames de imunofenotipagem, citogenética e biologia molecular nesse laboratório. Naquele ano foram feitos 5 mil exames para o público total (pacientes e não pacientes). Em 2014 esse número chegou a 55 mil, dos quais 40% foram feitos para atender pacientes de outras instituições.

Mais conteúdo sobre:
Incacâncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.