Incas engordavam crianças para sacrifício humano

A dieta dessas crianças concentrava-se, inicialmente, em batata, mas no último ano de vida era enriquecida

Associated Press,

01 de outubro de 2007 | 18h42

Crianças sacrificadas pelos incas parecem ter sido "engordadas" em um ritual anual, sugere uma nova pesquisa. Cientistas estudaram os cabelos da cabeça e em pequenos sacos que acompanhavam quatro múmias de crianças sacrificadas em ritos incas. As conclusões são descritas na edição desta terça-feira do periódico Proceedings ofthe National Academy of Sciences.   Os cabelos das crianças era cortado um ano e, depois, seis meses antes do sacrifício. Estudando as substâncias químicas presentes nos fios, os pesquisadores conseguiram calcular a dieta de cada criança.   A dieta dessas crianças concentrava-se, inicialmente, em vegetais como a batata, mas no último ano de vida era enriquecida com milho - um alimento de elite - e proteína, provavelmente carne de lhama, de acordo com os cientistas liderados por  Andrew Wilson, da Universidade de Bradford, no Reino Unido.   "Dada a mudança surpreendente na dieta e o corte de cabelo simbólico, parece que vários eventos tiveram lugar para elevar o status das crianças", diz Wilson, em nota. "De fato, a contagem regressiva para o sacrifício parece ter começado um bom tempo antes da morte".   Mudanças nas amostras de cabelo indicam que, nos últimos três ou quatro meses de vida, as crianças iniciavam uma peregrinação pelas montanhas, provavelmente a partir de Cuzco, a capital. Os cientistas não estão certos de como elas morreram, mas acreditam que consumiram uma mistura de cerveja e folhas de coca. "Parece que as crianças eram levadas até um santuário no topo de uma montanha como culminação da peregrinação, drogadas e abandonadas para morrer de exposição", diz um co-autor do estudo, Timothy Taylor.

Tudo o que sabemos sobre:
incasarqueologiasacrifício

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.