Rafiq Maqbool/AP
Rafiq Maqbool/AP

Incêndio na Índia atinge instalações do maior fabricante de vacinas do mundo e provoca 5 mortes

Prédio em construção do Instituto Serum, que seria usado para a ampliação da produção de vacina contra a covid-19, pega fogo e cinco pessoas morrem no local

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 08h56
Atualizado 21 de janeiro de 2021 | 22h48

Um prédio em construção do Instituto Serum, na Índia, foi atingido por um incêndio nesta quinta-feira. A empresa é a maior fabricante mundial de vacinas e é possível que isso tenha afetado sua futura expansão da produção da vacina contra covid-19. Pelo menos cinco pessoas morreram no incêndio segundo Murlidhar Mohol, prefeito da cidade de Pune no sul do estado de Maharashtra.

Ele afirmou que os corpos foram encontrados nos escombros depois que as chamas foram extintas pelos bombeiros. As vítimas seriam trabalhadores da construção civil que estavam na obra.

As causas do incêndio e a extensão dos danos ainda não foram esclarecidas. "Nós conseguimos resgatar três pessoas com vida", explicou o oficial Prashant Ranpise, que está supervisionando as operações de resgate. A empresa disse que o incêndio se restringiu a uma nova instalação que está sendo construída para aumentar a produção de vacinas contra o coronavírus e garantir que esteja melhor preparada para futuras pandemias.

Adar Poonawalla, CEO do Instituto Serum, disse que as vacinas da fábrica não foram afetadas - as instalações existentes produzem imunizantes contra a covid-19 e contam com um estoque de cerca de 50 milhões de doses - e que alguns andares tenham ficado destruídos. Ele lamentou as mortes de trabalhadores. "Estou profundamente triste com esse notícia", comentou.

Imagens mostraram enormes cortinas de fumaça saindo do prédio enquanto os bombeiros lutavam para apagar as chamas. Imediatamente os trabalhadores da empresa deixaram as instalações por segurança.

O Instituto Serum é o maior fabricante mundial de vacinas e foi contratado para produzir um bilhão de doses da vacina AstraZeneca/Universidade de Oxford. Poonawalla disse em recente entrevista que espera aumentar a capacidade de produção de 1,5 bilhão para 2,5 bilhões de doses por ano até o final de 2021.

A nova instalação seria a chave para essa expansão. Das mais de 12 bilhões de doses da vacina contra o coronavírus que devem ser produzidas este ano, os países ricos já compraram cerca de 9 bilhões e muitos têm opções para comprar ainda mais. Como resultado, o Instituto Serum provavelmente produzirá a maioria das vacinas que serão usadas pelos países em desenvolvimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.