Incidência do câncer de cólon cai nos EUA graças ao aumento de check-ups

Número de exames no país aumentou 13% em oito anos

Efe

06 Julho 2011 | 15h45

Washington - A incidência do câncer de cólon (intestino grosso), o segundo mais mortífero nos Estados Unidos, caiu graças ao aumento dos check-ups, segundo um estudo publicado nesta terça-feira pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) do país.

Em 2007, morreram de câncer de cólon 32 mil pessoas a menos que em 2003, enquanto o número de exames cresceu de 52% para 65% entre 2002 e 2010.

"O câncer de cólon pode ser prevenido. Estamos conseguindo que cada vez mais pessoas se submetam a revisão. Aqueles que fazem têm vidas mais longas, saudáveis e produtivas", disse nesta terça-feira o diretor do CDC, Thomas R. Frieden.

A partir do 50 anos, tanto homens quanto mulheres devem se submeter a revisão de câncer de cólon. Quase dois terços da população dos EUA passaram por check-up em 2010, mas 22 milhões de pessoas que precisavam do exame não o fizeram.

O estudo, denominado "Vital Signs", conclui que o câncer de cólon poderia deixar de ser o segundo mais mortífero nos EUA caso o número de pessoas que se submetem a revisão continue aumentando.

Além disso, a queda na incidência deste tipo de câncer poderia economizar aos cofres do Estado US$ 14 bilhões anuais, custo médico direto que representou o tratamento desta doença em 2010.

Os principais fatores de risco do câncer de cólon são idade, genética, atividade física e dieta.

Mais conteúdo sobre:
câncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.