REUTERS/Yiorgos Karahalis
As infecções por HIV registraram queda recorde na cidade de São Paulo REUTERS/Yiorgos Karahalis

Infecções por HIV têm queda recorde em SP, mas aumentam entre idosos

Número de novos casos na cidade caiu 18% entre 2017 e 2018, a maior redução desde 1996. Terapia preventiva oferecida pelo SUS é apontada como a principal causa da diminuição, mas crescimento de 15% dos registros em maiores de 60 anos preocupa

Fabiana Cambricoli e Paula Felix, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2019 | 05h00

SÃO PAULO - As infecções por HIV registraram queda recorde na cidade de São Paulo no último ano, mas aumentaram entre os idosos. Embora o grupo mais vulnerável ao vírus continue sendo o de homens jovens, a parcela da população maior de 60 anos foi a única, entre adultos, na qual foi observado crescimento dos casos de HIV, segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde.

No cenário geral, o número de novas infecções na capital caiu quase 18% entre 2017 e 2018, passando de 3.826 registros para 3.145. Mesmo índice de redução foi observado na taxa de detecção, que indica o número de infectados por 100 mil habitantes. O indicador passou de 32,7 para 26,8 no período analisado. É a maior queda desde 1996. Entre 2016 e 2017, a taxa de detecção já havia caído 1,9%.

Entre os idosos, o número de novos casos aumentou 15%, passando de 92 em 2017 para 106 no ano passado.

É a primeira vez, desde 2006, que a cidade observa diminuição da taxa de detecção por dois anos seguidos. “A queda consecutiva pelo segundo ano indica, em epidemiologia, uma tendência mais sólida de queda, e não algo apenas pontual”, destaca Cristina Abbate, coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids da Prefeitura.

Segundo Cristina e outros especialistas no tema, o principal fator para a redução significativa no número de infecções foi a introdução, no SUS, da profilaxia pré-exposição (PrEP), terapia com medicamentos antirretrovirais oferecida a pessoas sem o HIV de forma preventiva. Geralmente, ela é indicada a grupos mais vulneráveis à infecção, como jovens homossexuais, profissionais do sexo ou casais em que apenas um dos parceiros é soropositivo.

“Foram vários fatores que contribuíram para essa queda, como aumento de testes realizados, oferta de camisinhas e ampliação do leque de opções de prevenção, como a profilaxia pós-exposição e pré-exposição. Mas se eu tiver de indicar o fator principal, foi a PrEP”, explica Cristina. A terapia passou a ser ofertada no SUS em janeiro de 2018 e hoje já é usada na cidade por cerca de 4 mil pessoas.

“Foi de fundamental importância porque foca nos grupos mais vulneráveis. É uma estratégia que funciona, mas que precisa ser ampliada para mais pessoas, incluindo idosos”, destaca Gisele Cristina Gosuen, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Idosos. A especialista, responsável pelo Ambulatório de HIV e o Envelhecer da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), destaca como causas para o aumento de casos entre idosos uma vida sexual mais ativa nessa geração, possibilitada por medicamentos para disfunção erétil e aplicativos de relacionamento. 

Ela ressalta que as políticas públicas de HIV/Aids precisam também contemplar essa população. “Conversar com o idoso sobre sexo ainda é um tabu. As estratégias de prevenção e de tratamento são pensadas para os jovens. O idoso tem outro comportamento e condições de saúde que nem sempre permitem que ele inicie o tratamento com os mesmos medicamentos que o jovem”, afirmou.

Ativista e consultora em prevenção ao HIV/aids, Silvia Almeida avalia que o crescimento de casos entre idosos tem relação com o fato de mais pessoas estarem fazendo o teste e com mudanças nos padrões de comportamento dessa faixa etária.

"A terceira idade tem sido o momento de viver o que a pessoa não viveu a vida inteira e isso inclui a sexualidade.  Antigamente, a gente pensava que as pessoas com 50 anos não tinham vida sexual ativa, mas a sexualidade nasce e morre no nosso corpo, faz parte dos nossos sentidos. As campanhas ainda estão muito aquém do que a gente precisa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Na web, jovens soropositivos quebram mitos

Criadores de conteúdo expõem nas redes sociais e no YouTube rotina sem tabus e não escondem desafios e preconceitos

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2019 | 05h00

A experiência de receber o diagnóstico e viver com o HIV tem sido cada vez mais discutida nas redes sociais e em canais do YouTube. Criadas por jovens, as páginas abordam o tema sem julgamentos e tabus, mas não escondem os desafios do tratamento e os preconceitos da sociedade.

Criador de conteúdo sobre HIV, Lucas Raniel, de 27 anos, fez o primeiro vídeo sobre o tema há dois anos no Facebook. Com a repercussão, lançou um canal no YouTube chamado Falo Memo. Agora, foca suas postagens no Instagram. “As pessoas não têm consciência de como funcionam as novas tecnologias para tratamento e prevenção, e não têm acesso a informações corretas.”

Ele diz que utiliza uma linguagem clara para dialogar com seus seguidores, a maioria jovens de 15 a 34 anos e do sexo masculino.

“Eu me pego muito nas terminologias para humanizar a fala do HIV e da aids e reduzir o estigma e o preconceito. Não sou portador do vírus, porto meu CPF, RG. Sou uma pessoa que vive com o HIV, não convivo. Fui crescendo nas redes sociais por causa da minha fala sem estigma e sem terrorismo.”

Na avaliação de Raniel, o contágio na população jovem ocorre por múltiplos fatores, que vão desde a desinformação até situações de vulnerabilidade, como pessoas que fazem sexo sem proteção após o consumo excessivo de álcool. No caso de Raniel, o contato com o vírus ocorreu há seis anos, quando bebeu em uma festa e foi para a casa de um rapaz que conheceu em um aplicativo de relacionamentos.

“Eu apaguei lá. Fui abusado. Foi chocante.”

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Não sou portador do vírus, porto meu CPF, RG. Sou uma pessoa que vive com o HIV, não convivo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Lucas Raniel, youtuber

Veja vídeo do canal Falo Memo, de Lucas Raniel

Passo a passo

Mais de 39 mil pessoas acompanham o dia a dia do ator e youtuber Gabriel Comicholi, de 24 anos. No HDiário, ele compartilha informações sobre o vírus desde que recebeu o resultado positivo do teste, há três anos.

“O canal acompanha minha trajetória no tratamento. Teve a primeira vez que tomei o medicamento e quando contei para a minha mãe. A ideia é ser um diário.” Além do YouTube, ele usa outras plataformas para falar sobre o tema, como Instagram e Facebook. “Tem um público diferente para cada.” 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O canal acompanha minha trajetória no tratamento. Teve a primeira vez que tomei o medicamento e quando contei para a minha mãe
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gabriel Comicholi, youtuber

Veja vídeo do canal HDiário, de Gabriel Comicholi

Estrategista de marketing digital e criador de conteúdo, João Geraldo Netto, de 37 anos, começou a produzir conteúdos sobre a vida com o HIV em 2008, mas nada profissional.

“Vi que tinha retorno e isso foi me deixando empolgado em fazer com temas, quadros, chamando pessoas para entrevistar.”

Há três anos, ele criou o canal Super Indetectável.

“É uma estratégia de comunicação em saúde que criei para atingir mais pessoas. As pessoas não se inscreviam quando tinha 'HIV' (no nome). O HIV é tão estigmatizado que as pessoas não queriam estar associadas ao tema.” 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
As pessoas não se inscreviam quando tinha 'HIV' (no nome). O HIV é tão estigmatizado que as pessoas não queriam estar associadas ao tema
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
João Geraldo Netto, youtuber

Veja vídeo do canal Super Indetectável, de João Geraldo Netto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Análise: É preciso falar mais sobre a sexualidade dos idosos

População está envelhecendo e mantendo uma vida sexual ativa a despeito da idade. Idoso deve ser informado sobre alternativas como profilaxia pré-exposição (PrEP) e pós-exposição (PEP)

Jamal Suleiman, infectologista

28 de novembro de 2019 | 05h00

É preciso quebrar essa percepção de que velho não transa. A população está envelhecendo e mantendo uma vida sexual ativa a despeito da idade. Por isso, é preciso pensar em ações que contemplem a população maior de 60 anos.

O primeiro caminho é oferecer o teste de HIV independentemente da causa que tenha levado a pessoa a um serviço de saúde. E é importante que esse teste esteja disponível nas unidades básicas, não só nos centros especializados. O idoso vai anualmente se vacinar contra a gripe? O teste deve ser oferecido. Ele frequenta ambulatórios para acompanhar doenças como diabete e hipertensão? Por que não oferecer teste de HIV?

Em segundo lugar, é preciso falar mais sobre a sexualidade do idoso, e isso vale também para os profissionais de saúde que têm contato mais frequente com essa população. Quando você fala sobre a importância de atualizar a carteira de vacinação do idoso e de praticar exercício físico, tem de falar de sexo também. Se a gente tem telefone com teclas maiores para a população idosa, por que não falar sobre sexo pensando nas particularidades desse grupo?

É preciso ainda ofertar ao idoso mais opções de prevenção. Se camisinha não funciona bem com o jovem, com o idoso é pior. Ele deve ser informado sobre alternativas como profilaxia pré-exposição (PrEP) e pós-exposição (PEP). Dá trabalho quebrar esses estigmas, mas temos de começar.

*JAMAL SULEIMAN É INFECTOLOGISTA DO INSTITUTO EMÍLIO RIBAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.