WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Infectologista diz que alta de suspeitas de coronavírus no Brasil era esperada

Infectologista Esper Kallás, da USP, defendeu a antecipação da vacinação de gripe. 'Quem for vacinado vai ficar mais confiante em relação à gripe', disse

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 09h00

SÃO PAULO - O infectologista Esper Kallás, da Universidade de São Paulo (USP), afirma que, após a confirmação do primeiro diagnóstico do novo coronavírus no Brasil, era de se esperar o aumento de casos suspeitos. "Em outros países, como Itália e Coreia, os números só fazem crescer e há muito fluxo de pessoas de lá para cá. A primeira hipótese é que, portanto, haja mais pessoas sob risco", diz.

"A segunda hipótese é que, como a questão ganhou atenção da mídias, as pessoas se preocupam mais e também aparecem mais falsos positivos", afirma o pesquisador. "Isso é um comportamento anormal? É anormal, mas é comum. Quando Bussunda morreu de enfarte, por exemplo, o número de pessoas que procurou o Incor aumentou muito."

Na avaliação de Kallás, diante da preocupação com o coronavírus, a estratégia de antecipar a vacinação contra a gripe é positiva do ponto de vista da saúde pública. "Quem for vacinado vai ficar mais confiante em relação à gripe comum e isso auxilia na hora de interpretar os sintomas, como nariz escorrendo ou tosse", diz.

O Brasil confirmou o primeiro caso de coronavírus nesta semana. Nesta quinta-feira, 28, o Ministério da Saúde divulgou um salto de casos suspeitos, que poderão chegar a mais de 300. Diante do avanço do vírus, a pasta informou que antecipará a vacinação contra a gripe

Outro ponto positivo da antecipação, diz Kallás, é que pode ajudar a conter um possível surto de gripe influenza e H1N1. "Tenho conversado com colegas infectologistas e a gente está tendo aumento de vírus influenza, que é anormal nesta época do ano. Só este quadro já bastaria para justificar a vacinação mais cedo."

O pesquisador pontua, ainda, que a composição da vacina neste ano é diferente das anteriores. "Em meio a diversos tipos diferentes, três ou quatro vírus são escolhidos para ser inativados em laboratório e compor a vacina da gripe. Quem faz a sugestão é a Organização Mundial de Saúde, com base na circulação de vírus na estação anterior", explica. "Após alguns anos com a mesma composição, a vacina da gripe mudou neste ano. Então antecipar também faz sentido porque oferece proteção diferente."  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.