Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Infectologista referência dos EUA prevê veredito sobre vacina contra covid até dezembro

Vacinação ampla, porém, só está prevista para meados de 2021, segundo Anthony Fauci

Redação, Reuters

25 de outubro de 2020 | 17h21

LONDRES - O infectologista americano Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (Niaid), afirmou neste domingo, 25, que será possível descobrir a eficácia e a segurança de uma vacina contra covid-19, de forma clara, até o início de dezembro. Uma vacinação ampla, porém, só deve ocorrer em meados de 2021.

“Saberemos se uma vacina é segura e eficaz entre o fim de novembro e o início de dezembro”, disse Fauci à BBC. “Quando se fala em vacinar uma parte substancial da população, para que se possa ter um impacto significativo na dinâmica da epidemia, é muito provável que não aconteça até o segundo ou terceiro trimestre do ano (de 2021)”. Fauci é especialista da Casa Branca durante a pandemia e uma das maiores referências dos EUA no assunto. 

Na última sexta-feira, 23, a AstraZeneca e a Johnson & Johnson anunciaram a retomada dos testes de suas vacinas, nos Estados Unidos — ambas já na última fase. Elas haviam interrompido as testagens por doenças graves detectadas em alguns voluntários, mas não houve indícios de relação com os imunizantes.

A pausa nos testes da AstraZeneca durou seis semanas. A Johnson & Johnson, por sua vez, precisou interromper o processo por 11 dias. Ambas as empresas estão usando um adenovírus, que normalmente causa resfriados inofensivos e é construído de modo a conduzir um gene do coronavírus para dentro de células humanas. A Moderna e a Pfizer também possuem vacinas no estágio final de ensaios clínicos nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.