Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Informações sobre calorias alteram hábitos alimentares nos EUA

Após saberem o valor calórico dos alimentos, muitos americanos trocaram seus pratos

Reuters

27 Julho 2011 | 16h10

WASHINGTON - O pedido para que as cadeias de fast food de Nova York divulgassem as calorias dos alimentos no cardápio leva um a cada seis clientes a notarem as informações e comparem comidas com menos calorias, de acordo com um novo estudo.

Embora a ingestão de calorias de milhares de pessoas não tenha mudado, clientes do McDonald's, Aun Bon Pain e KFC fizeram modificações significantes nos hábitos alimentares, de acordo com estudo patrocinado pela cidade de Nova York e pela Fundação Robert Wood Johnson.

O relatório, publicado na revista British Medical Journal, é um dos primeiros a mostrar que a lei de 2008 mudou os hábitos de compras dos clientes.

Defensores da lei a encaram como uma forma de ajudar os americanos a perderem peso. Mais de dois terços dos cidadãos americanos estão acima do peso ou são obesos, condições ligadas a problemas de saúde como pressão alta e diabetes.

"Nós achamos que, no geral, estes resultados iniciais são positivos," disse Lynn Silver, diretora do departamento de ciência e política de Nova York e co-autora da pesquisa.

"Estamos otimista, a medida que as informações sobre as calorias se espalham pelo país, e os consumidores se acostumem a usá-las, as redes de fast food serão fortemente incentivadas a oferecerem opções menos calóricas," ela disse.

As cadeias de restaurantes começaram a incluir pratos leves nos cardápios para ajudar os clientes a cortarem o consumo de gordura, açúcar e sódio. O relatório citou exemplos da rede de sanduíches Cosi, que começou a usar maionese de baixa caloria nos molhos, enquanto a rede de cafés Starbucks tornou padrão o uso de leite com pouca gordura. A rede Applebee's também introduziu pratos com menos de 550 calorias no cardápio.

Todas estas mudanças ocorreram depois que a lei nova-iorquina entrou em vigor, informou o estudo. O McDonald's também informou que em breve irá diminuir as porções de fritas do Mc Lanche Feliz e adicionar pedaços de maçã em todas as refeições.

Cortando a gordura

O relatório foi baseado nas informações colhidas durante a hora do almoço em 11 cadeias de restaurante fast food, observando os recibos de mais de 7.300 pessoas nos 12 meses anteriores à lei e de quase 8.500 clientes nove meses depois dela ser implementada.

Nas três principais redes, os clientes reduziram em média o consumo de 44 calorias no McDonald's, 80 no Au Bon Pain e 59 calorias no KFC.

No início do ano, um estudo publicado no International Journal of Obesity informou que a lei nova-iorquina teve pouco efeito na escolha das crianças. Enquanto ambos estudos focam a lei de Nova York, pessoas em todo os Estados Unidos estão atentas aos resultados.

Em 2009, o Centro de Controle e Prevenção de Doença (CCPD) do país estimou que pelo menos 20% dos adultos em todos os estados, com exceção do Colorado, eram obesos. O CCPD também afirmou que o custo médico relacionado à obesidade foram estimados em mais de US$ 147 bilhões em 2008.

Mais conteúdo sobre:
caloria obesidade comida fast food

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.