TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
Paciente é tratado no Hospital Instituto de Infectologia Emílio Ribas, cuja Unidade de Terapia Intensiva opera em sua capacidade máxima para a covid-19 em São Paulo TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Internações crescem em cidades de SP que tiveram maior abertura; números caem na ‘zona vermelha'

Não é possível afirmar que aumento de hospitalização é efeito das medidas adotadas, mas números levantam questionamento sobre momento em que elas foram iniciadas; governo pode anunciar nesta quarta mudanças na classificação dos municípios

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2020 | 11h22

As regiões de São Paulo que foram classificadas no início de junho como áreas da cor "amarela" e que, por isso, puderam autorizar uma maior reabertura comercial na semana passada, enfrentam aumento do número de internações de pessoas por covid-19 em porcentuais de até dez vezes maior do que a média do Estado como um todo. Já os municípios que mantiveram até agora a restrição total, e estão na zona “vermelha”, vivem queda nas novas internações pelo coronavírus. Os dados foram organizados pela Fundação Estadual Sistema de Análise de Dados (Seade), do governo paulista, e compilados pelo Estadão.

Pesquisas apontam que o crescimento ou a queda de casos pode ser observado cerca de duas semanas após a adoção de medidas de flexibilização ou restrição da quarentena. Por isso - e pelo fato de o vírus seguir se espalhando rumo ao interior -, não é possível afirmar que o aumento das internações é efeito das medidas adotadas. No entanto, os número levantam o questionamento sobre o momento em que elas foram iniciadas.

O governo do Estado deve anunciar nesta quarta-feira, 10, em entrevista coletiva, mudanças na classificação de cidades, de acordo com os resultados observados até aqui. Procurado, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, afirmou que os dados estão em análise e que a avaliação será divulgada na coletiva. “Mas sempre avaliamos que as cidades poderiam voltar (à fase anterior de medidas de isolamento)”, disse. Ele não comentou especificamente os dados da Fundação Seade. 

A reabertura, batizada de Plano São Paulo, teve início no dia 1º de junho. Nos sete dias anteriores ao dia 31, véspera do início do plano, quando todo o Estado seguia as mesmas regras de quarentena, a região de Barretos, por exemplo, registrou 45 internações de pacientes com os sintomas do coronavírus. Na semana posterior, com lojas de rua, shoppings, bares, restaurantes e cabeleireiros reabertos, houve outras 81 internações. É um aumento de 80%.

Em Presidente Prudente, essa mesma comparação mostra um aumento de 75,6%, passando de 41 para 72 internações por semana. As duas outras regiões que também tiveram a classificação amarela, Bauru e Araraquara, tiveram aumento de 34,5% e 27,1%, respectivamente.

Na média, somando todas as internações ocorridas em todas as cidades paulistas na semana anterior e na posterior ao início do relaxamento da quarentena, houve um aumento de 8% nas internações de pessoas com sintomas de infecção pelo novo coronavírus no Estado na primeira semana de vigência do plano. O total passou de 11,8 mil para 12,8 mil internações.

Já considerando as sete regiões do Estado que foram classificadas como zona vermelhas, em cinco delas o número de novas internações diminuiu, se o mesmo critério de comparação for usado.

A região de Registro, que inclui toda as cidades do Vale do Ribeira, reduziu de 26 para 20 o número de novas internações. Porcentualmente, é a zona com maior queda no número de novos casos de internação: 23,8%.

Na Baixada Santista, a queda foi de 601 para 584 novos casos. Nas cidades de Grande São Paulo, apenas a zona que inclui Guarulhos teve aumento. Nos bastidores do Palácio dos Bandeirantes, havia expectativa de que essa região pudesse ser reclassificada nesta quarta-feira para a cor laranja. 

Leitos

Embora os números de internações estejam em alta, das quatro zonas amarelas do Estado, só a região de Araçatuba teve aumento na taxa de leitos por 100 mil habitantes aumentada entre a semana anterior e a semana posterior ao início da abertura.

A região, que tem menos de 1 milhão de habitantes, passou de 6,4 leitos por 100 mil habitantes para 7,5. Em Barretos, esse total até caiu, de 13,1 para 12,9. Mesma situação de Bauru, onde a taxa oscilou de 6,9 para 6,7 leitos para cada 100 mil pessoas. Em Presidente Prudente, região de moradia de 702 mil paulistas, a taxa ficou estável em 6 leitos para cada 100 mil. 

Para efeito de comparação: na cidade de São Paulo, que tem 11,8 milhões de pessoas, a taxa era de 26,1 leitos na semana anterior ao início do Plano São Paulo para 28,4 até o início desta semana.

A capital paulista havia sido classificada como zona laranja, mas só nesta quarta-feira, 10, é que permitiu as primeiras ações para reabertura do comércio da cidade, ficando até aqui com as mesmas regras das cidades de zonas vermelhas. Na comparação entre a semana anterior e a posterior ao início do plano, o número de novas internações caiu 1,38%, de 5.736 para 5.657.

Entre os técnicos do governo Doria, o número de novas internações passou a ter desde a semana passada um peso maior para o indicativo da evolução da doença, uma vez que há expectativa de que o número de novos casos aumente nas próximas semanas por causa do aumento do número de testes na população.

O Plano São Paulo classificou as regiões administrativas do Estado com base em cinco critérios: a taxa de ocupação dos leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), a quantidade de leitos de UTI por 100 mil habitantes, a variação do número de casos, a variação do número de internações e a variação do número de mortes. Quanto melhor nesses níveis, mais relaxado é o isolamento.

Diante do diagnóstico, técnicos estiveram reunidos na noite desta quarta-feira na sede do governo para discutir se mantinham na zona amarela as cidades que tiveram maiores aumentos de casos ou se determinariam a reclassificação delas para a cor laranja. 

Os técnicos do governo já haviam indicado, na semana passada, que ao menos Bauru e Barretos poderiam ter a classificação revisada, em decorrência da piora nos indicativos. Mas cidades da Grande São Paulo e a Baixada Santista poderiam avançar de vermelho para laranja.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, destacou que “o Plano São Paulo é um plano de gestão e convivência com a pandemia”. “Por isso”, segue a secretária, “ele está preparado para ter gatilhos para flexibilização de medidas restritivas, mas também para o endurecimento de medidas restritivas. E assim o faremos conforme necessário, nas regiões que apresentarem tal necessidade.”

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Pequenas cidades paulistas já têm mais casos e mortes por coronavírus do que regiões metropolitanas

Acostumados a um ritmo de vida mais pacato, moradores se dividem entre a incredulidade e o medo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2020 | 11h27

SOROCABA – Pequenas cidades do interior de São Paulo já têm, proporcionalmente, mais casos e mortes pelo novo coronavírus do que a capital e as regiões metropolitanas do estado. Das 19 cidades paulistas com menos de 2 mil habitantes, 13 já registraram casos da covid-19 e em três houve ao menos uma morte. Acostumados a um ritmo de vida mais pacato, em que a morte é um fato raro, anunciado em alto-falante, moradores que nunca viram uma pandemia se dividem entre a incredulidade e o medo.

Em Gastão Vidigal, de 4.808 habitantes, na região noroeste do Estado, 36 pessoas se infectaram e seis morreram com a doença. A proporção é de uma morte pelo novo coronavírus a cada 801 habitantes, uma incidência de 124 óbitos por 100 mil pessoas, o mais alto do Estado, seis vezes acima da média estadual. O índice é 30 vezes maior que o de Araçatuba, cidade que é polo regional, e 12 vezes o de Campinas, a metrópole do Interior. Na Capital, epicentro da doença, a taxa é de 29 por 100 mil, ao menos quatro vezes menor que o de Gastão Vidigal.

O prefeito Roberto Carlos Breseghello (PP) disse que a situação ainda pode piorar. “Temos oito moradores internados em estado grave e seis são idosos. Infelizmente, a gente tem essa liderança indesejável e nossos números ainda vão aumentar.” Ele conta que as medidas da quarentena foram rigorosas, com o fechamento do comércio – nos fins de semana só funcionam farmácias e padarias -, igrejas e proibição de reuniões de qualquer tipo. “Decretamos a obrigação de usar máscara, mas nem todos usam. Nossa vontade é de mandar prender”, disse.

Com 1.545 habitantes, a cidade de Santa Salete, no extremo noroeste de São Paulo, a 601 km de capital, tem a maior incidência de casos do novo coronavírus no Estado. Com 18 casos positivos, a média é de uma pessoa doente a cada 85,8 moradores, o que dá uma incidência de 1.165 casos por 100 mil habitantes. No estado de São Paulo, a taxa é de 315 /100 mil e a média brasileira, de 336 casos por 100 mil pessoas. O índice só é comparável ao do estado do Amazonas, de 1.201 por 100 mil, o maior do País. Na cidade, ainda não houve óbito.

Desde que o primeiro paciente da covid-19 foi detectado na Capital, o vírus percorreu 601 km para chegar a Santa Salete, o que mostra como a doença se espalhou e atingiu os recantos mais longínquos do Estado. Das dez menores cidades, sete já tiveram pessoas com a doença, inclusive a menor delas, Borá, com 837 habitantes. Em Uru, a segunda menor, com 1.165 moradores, houve três casos e uma morte. Terceira colocada no ranking das pequenas cidades paulistas com 1.267 habitantes, Nova Castilho também já registrou um óbito. São cidades sem leitos de UTI e pacientes em estado grave têm de ser levados para hospitais de fora.

Dos 18 pacientes de Santa Salete, dois precisaram de internação. Conforme a secretária de saúde, Carla Adriana do Amaral, 13 pacientes são de uma família que se reuniu em uma festa familiar. “Possivelmente alguém estava com o vírus e dias depois dessa festa começaram a aparecer os casos entre os familiares.” Dos parentes que tiveram a doença confirmada, dois precisaram de internação e foram levados para Jales, a 18 km, já que Santa Salete não tem hospital e pronto-atendimento. Um dos pacientes ficou dez dias internados, mas não precisou de UTI. O outro se recuperou em dois dias.

Mesmo com o grande número de casos, a prefeitura enfrenta dificuldade para manter o isolamento. “A cidade é pequena e os moradores compram bebidas e sentam-se nas caçadas, à frente dos mercadinhos, muitas vezes formando aglomerações.” O uso de máscara é obrigatório, mas não é todo mundo que usa, segundo ela. “A população tem dificuldade para acreditar na doença. Mesmo com o que já aconteceu, tivemos de intervir, com apoio do da Polícia Militar e do Ministério Público, para que não houvesse outra festa com número grande de pessoas. Quem ia fazer ainda ficou bravo com a gente.”

O prefeito de Gastão Vidigal diz que, ao contrário do que se pensa, a vida pacata do interior não favorece o isolamento. “Com os bares fechados, as pessoas organizam reuniões em chácaras. A gente fica sabendo dos churrascos em fins de semana, infelizmente, só depois que acontecem.” A explosão de casos, segundo ele teve início após o Dia das Mães, quando muitas pessoas que moram fora retornaram à cidade para ver a família. “A cidade é pacata, tem segurança, então quem sai para trabalhar e se aposenta volta a morar aqui. Por isso temos muitos idosos.”

Na segunda-feira, 8, o serviço de alto-falante da cidade anunciou mais uma morte. A servidora pública Rute Magro disse que sente medo. “Estamos morrendo de medo, pois tenho minha mãe idosa, com enfisema pulmonar. Nem posso ir à casa dela.” Rute mora na casa ao lado da mãe, mas há várias semanas elas não trocam abraços. “Faço comida e levo para ela todo dia, mas passo por cima do muro e a gente se fala assim, pelo muro. É difícil, mas é para a proteção dela.”

O vereador Eduardo Gomes Lagoeiro (SD), presidente da Câmara, conta que o município tomou as medidas possíveis para evitar o vírus. “É uma coisa que a gente nunca viu antes. Fechou tudo aqui, mas tem gente que trabalha fora e pode ter trazido a doença.” 

O município tem tradição agrícola e as pessoas se deslocam diariamente para o campo. “O forte aqui é roça, mas não tem caso na zona rural. O problema é na área urbana. À noite, parece cidade fantasma, mas de dia é muita gente na rua, não tem como proibir 100%.”

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.