James Gathany/Reuters
James Gathany/Reuters

Internautas são atacados por pernilongos e reclamam nas redes

Há 23 dias, a capital paulista tem temperaturas máximas maiores ou iguais a 30ºC, o que facilita a proliferação do inseto

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2017 | 11h10

SÃO PAULO - A invasão de pernilongos na zona oeste de São Paulo está deixando os moradores de cabelos em pé (veja as reações abaixo). Basta esquentar e chover para os mosquitos ganharem a cidade. A cena comum a todo verão parece, no entanto, ter saído do controle neste ano.

A proliferação dos mosquitos é assunto nas redes sociais, nas reclamações à prefeitura regional e motivou um abaixo-assinado com mais de 8.300 assinaturas pedindo dedetização da margem do Rio Pinheiros.

Diante da comoção, o prefeito de Sçao Paulo, João Doria (PSDB), conversou com assessores para saber a logística da operação de pulverização do rio. Nesta quinta-feira, 12, deve haver um novo fumacê na região. Na avaliação do prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias, a situação “é caótica”.

Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) apontam que a capital paulista completou nesta terça-feira, 10, 23 dias de temperaturas máximas maiores ou iguais a 30°C. A média histórica das máximas para dezembro é de 26,9°C e para janeiro, de 27,8°C, condição que pode estar favorecendo o mosquito, juntamente com a água acumulada em criadores.

Mais conteúdo sobre:
São PauloRio PinheirosPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.