Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Isolamento social evitou 188 mil mortes e 9,8 milhões de novos casos, diz estudo da UFRRJ

De acordo com o consórcio, os óbitos apurados em maio foram 29.367 com o isolamento. Sem o isolamento, chegariam a 147.447, aponta o estudo

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2020 | 19h27

O estrago provocado pela pandemia do novo coronavírus poderia ser muito maior em número de mortes e de pessoas contaminadas, sem o isolamento social.  O mantra repetido por infectologistas e autoridades em saúde pública foi traduzido em números por um grupo de professores de pós - graduação em economia regional e desenvolvimento da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Em apenas um mês, em maio deste ano, o isolamento social, mesmo abaixo dos níveis desejáveis, poupou 118 mil vidas e evitou que 9,8 milhões de pessoas fossem contaminadas por covid-19.

"Mesmo com um índice de isolamento baixo, inferior a 50%, a quarentena teve algum efeito", afirma Caio Chain, um dos autores do trabalho. Para chegar a esses números e tirar essa conclusão, os professores utilizaram algumas premissas. A primeira delas é que o isolamento médio nos 27 estados do País em maio deste ano foi de 44,3%, segundo dados obtidos pelo monitoramento de GPS. Em situação normal, antes da pandemia, essa taxa era de 25%.

Usando modelos estatísticos, os professores calcularam que a cada 1% de isolamento, a transmissão do vírus se reduz em  37%. Com esses parâmetros em mãos, foi calculado qual seria o número de mortes no período e de contaminados sem o isolamento. Os resultados das projeções foram  comparados  com os números do consórcio Covid Brasil, centralizado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Os números desse consórcio são maiores do que os oficiais porque consideram a subnotificação de casos e mortes, observa Chain.

De acordo com o consórcio, os óbitos apurados em maio foram 29.367 com o isolamento. Sem o isolamento, chegariam a 147.447, aponta o estudo. Quanto ao número de novos contaminados,  foram 3,6 milhões de casos, apontam os dados do consórcio. Sem o isolamento, o estudo projeta que seriam 13,4 milhões de novos brasileiros infectados. "As medidas de isolamento têm efeito significativo na transmissão do vírus e foram eficientes para reduzir o número de mortes no Brasil", diz o professor.

Essa eficiência, no entanto, está muito distante da alcançada por países da Europa. Um estudo feito a partir da média óbitos por covid-19 registrados em onze países (Itália, França, Alemanha, Espanha, Portugal, Bélgica, Suíça, Suécia, Dinamarca, Noruega e Reino Unido) mostra que essas nações  conseguiram evitar 25 vezes mais mortes  fazendo o do isolamento social. "O nosso estudo mostra que conseguimos evitar um número de mortes cinco vezes maior", diz Chain. Ele ressalta que há diferenças metodológicas entre os dois estudos. Isto é, o trabalho dos europeus considerou o período de dois meses e o estudo brasileiro foi de apenas um mês.

Mesmo com resultados mais tímidos, a intenção do trabalho, diz Chain, foi criar uma ferramenta que monitore a evolução dos estragos causados pela pandemia e que seja mais uma fonte de informação para autorizar ou não a reabertura das atividades no momento atual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.