EFE/EPA/Matteo Corner
EFE/EPA/Matteo Corner

Itália já aplicou mais de 27 mil multas para quem descumpriu quarentena

Pessoas só podem sair às ruas para ir ao trabalho, fazer compras, passear com o cachorro ou praticar esportes, mas individualmente

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2020 | 14h20

ROMA - A Itália já aplicou pelo menos 27.616 multas a pessoas que violaram as regras de isolamento imposto no país. Desde 11 de março, a nação europeia já realizou 665.480 inspeções para combater a pandemia na Itália e impedir o seu avanço. Nesta terça, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a Europa é o epicentro da pandemia

As multas foram por "declaração falsa a funcionário público" ou "declaração falsa de identidade" quando são abordadas pelas forças policiais nas ruas. As punições podem variar do pagamento de 206 euros (R$ 1.140) a até três meses de prisão. A Itália registrou 2.158 mortes e tem 27.980 pessoas contagiadas. 

De acordo com o decreto aprovado pelo governo, as pessoas só podem sair às ruas para ir ao trabalho, fazer compras, passear com o cachorro ou praticar esportes, mas individualmente e sem formar grupos. Da mesma forma, as empresas também têm sido abordadas. Até agora, 1.102 proprietários foram multadas e 22 lojas foram fechadas por não respeitarem as leis.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Apenas lojas de alimentos e supermercados, farmácias e tabacarias podem abrir. Elas precisam respeitar medidas de segurança, como limitar o número de pessoas. O Ministério do Interior distribuiu na terça-feira um novo selo que deve ser transportado ao dirigir. O documento deve explicar os motivos pelos quais a pessoa está fora de casa. 

O documento é preenchido antes de sair de casa e deve ser assinado no momento do controle pela Polícia, que verifica a identidade do cidadão. Várias pessoas foram encontradas fora de suas casas, apesar de terem de ficar em quarentena. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.