Itália proibirá fumo em veículos com menores ou mulheres grávidas

Para desestimular o tabagismo, país também quer acabar com os maços menores, que têm dez cigarros e são mais baratos

EFE

12 Outubro 2015 | 19h40

ROMA - O Conselho de Ministros da Itália aprovou nesta segunda-feira, 12, um decreto legislativo com o qual proibirá fumar em veículos que tiverem menores de idade ou mulheres grávidas a bordo, além de outras medidas destinadas a reduzir e desincentivar o consumo de tabaco.

Para se tornar lei, o decreto, divulgado em comunicado, ainda precisará ser revisado pelas comissões competentes, pela Conferência Estado-Regiões e deverá ser publicado no diário oficial. A ministra da Saúde, Beatrice Lorenzin, afirmou em mensagem em seu perfil no Twitter que isso ocorrerá "antes do Natal".

Com essa iniciativa, a Itália adota uma postura europeia iniciada desde o ano passado, que visa combater o tabagismo e desincentivar seu consumo.

Entre as medidas englobadas está a proibição de fumar em veículos com menores e mulheres grávidas a bordo. Também acabará a venda de maços de dez cigarros, mais acessíveis para os jovens que os tradicionais, compostos por 20 e, portanto, mais baratos.

Agora os pacotes de tabaco virão acompanhados de imagens explícitas sobre as consequências de fumar, que deverão cobrir 65% da embalagem. Também está prevista a proibição de fumar nos arredores de centros de saúde.

O Ministério da Saúde italiano assinala que entre 70 mil e 83 mil mortes ao ano no país são atribuídas ao tabaco. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabaco mata quase seis milhões de pessoas a cada ano, das quais mais de cinco milhões são consumidoras do produto e mais de 600 mil são fumantes passivos.

Mais conteúdo sobre:
Tabagismo cigarro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.