Yara Nardi/Reuters
Yara Nardi/Reuters

Itália supera China em número de mortos por novo coronavírus

País europeu tem 3.405 óbitos pela doença enquanto o país asiático contabiliza 3.245

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 14h53

A Defesa Civil da Itália anunciou nesta quinta-feira, 19, que o número de mortos em decorrência do novo coronavírus subiu para 3.405, o que coloca o país à frente da China na quantidade de vítimas, que contabiliza 3.245. O início do surto de covid-19 no país europeu foi noticiado em 21 de fevereiro e nas últimas 24 horas foram registrados 427 óbitos. Ao mesmo tempo, a cidade de Wuhan, onde a pandemia teve início, não registrou casos adicionais.

Segundo os dados, o número de vítimas na Itália reduziu em um dia, já que na quarta-feira, 18, o balanço registrou 475 óbitos em 24 horas. Em relação aos contágios, o país europeu tem um total de 41.035 pessoas infectadas, sendo 33.190 casos ativos e 4.440 recuperados.

Leia também > Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Al mismo tiempo, el lugar de origen de 

A região da Lombardia, no norte do país, continua sendo a mais afetada pela doença. Ao todo, foram registradas 2.168 mortes, sendo 209 em apenas um dia. Já o número de contágios é de 19.884, um aumento de 2.171 contaminações em 24 horas, "um dado significamente mais alto", segundo as autoridades.

A epidemia de coronavírus que assola a Itália já deixou ruas vazias e lojas fechadas, já que 60 milhões de italianos estão essencialmente em prisão domiciliar. Médicos e enfermeiros exaustos estão trabalhando dia e noite para manter as pessoas vivas. Crianças estão pendurando desenhos de arco-íris em suas janelas e famílias começaram a cantar em suas varandas. Jás as vítimas de coronavírus enfrentam a morte sem direito a funerais.

Agora, a Itália avalia endurecer as medidas contra o novo coronavírus e ampliar em todo o território a proibição de realizar atividades ao ar livre, como caminhar ou correr, assim como já fez Emilia-Romaña, no norte do país. O presidente dessa região, Stefano Bonaccini, autorizoiu na quarta-feira à noite o uso de bicicletas ou de uma caminhada a pé apenas por razões médicas, de trabalhoou para ir ao supermercado. /Agências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.