Reuters
Reuters

Italiana Eluana morreu de 'fraqueza nos pulmões', diz exame

Quadro clínico de Eluana revelou-se compatível com a interrupção da alimentação e da hidratação

Efe,

20 Maio 2009 | 18h18

A morte de Eluana Englaro, ocorrida em 9 de fevereiro, após a italiana ter passado 17 anos em estado vegetativo, foi causada por uma "grande fraqueza nos pulmões", revelaram exames entregues hoje à Promotoria da cidade de Udine (nordeste).

 

Veja também:

Itália rejeita retirada da alimentação a pacientes terminais

blog Você concorda com a decisão de deixar Eluana morrer?

especialPerguntas e respostas: entenda o caso

lista Veja tudo que foi publicado sobre o caso 

 

Os três médicos legistas encarregados da necropsia concluíram que os quatro dias em que Eluana ficou sem alimentação nem hidratação assistida enfraqueceram seu aparelho respiratório. Consequentemente, ela ficou desidratada e sofreu uma parada cardíaca.

 

Segundo o exame, o quadro clínico dos últimos dias de vida de Eluana revelou-se compatível com a interrupção da alimentação e da hidratação, como estava previsto no protocolo de atuação.

 

Os dados toxicológicos também se mostraram "plenamente compatíveis com os medicamentos" que foram fornecidos à paciente.

 

Em 27 de fevereiro, a Promotoria de Udine confirmou que, diante das "várias" denúncias recebidas, seu escritório investigaria 14 pessoas pela morte de Eluana.

 

Entre os investigados estão o pai da italiana, Giuseppe Englaro, e o anestesista Amato Da Monte, da clínica La Quiete, onde morreu Eluana, que gerou na Itália um enorme debate sobre a eutanásia.

Mais conteúdo sobre:
Eluana Englaro eutanásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.