Já são 19 os mortos no México pela gripe suína

Epidemia já atinge 18 dos 32 estados do país; 454 pessoas estão infectadas pelo vírus

Efe,

03 Maio 2009 | 01h43

O número de mortos confirmados pela gripe suína no México já são 19 e 454 deram positivo para este vírus nos testes de laboratório, informou neste sábado o secretário de Saúde do país, José Ángel Córdova.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Após ter analisado 1.303 testes, um total de 473 deram positivos e deles 19 correspondem a pessoas que morreram, 14 mulheres e cinco homens, entre os dias 11 e 28 de abril. O funcionário explicou que a taxa de mortalidade do vírus é de 4%.

 

No encontro com a imprensa para divulgar a atualização dos dados, Córdova disse que a epidemia já abrange 18 dos 32 estados do país, principalmente no Vale do México, que inclui a capital do país e mais de 27 municípios.

 

Ele informou que 13 pessoas morreram no Distrito Federal, outros quatro no estado do México, um em Oaxaca e um em Tlaxcala.

 

Córdova também informou que as autoridades receberam 2,4 milhões de consultas telefônicas, sobretudo de pessoas que queriam informação e apoio emocional.

 

Além disso, destacou que entre as 473 pessoas contagiadas pelo vírus, 255 são mulheres e 218 homens, e que quase 50% delas são pessoas menores de 19 anos.

 

O ministro agradeceu o apoio de todos os especialistas que colaboraram nesta emergência epidemiológica, em particular à Organização Mundial da Saúde (OMS) e à Organização Pan-americana de Saúde (OPS).

 

Também ressaltou a boa resposta dos cidadãos para atender às recomendações para conter a propagação da epidemia.

 

Córdova afirmou que na próxima segunda-feira se terão os dados que vão permitir determinar os passos seguintes na estratégia para frear a epidemia, particularmente sobre o reatamento de atividades acadêmicas e econômicas.

 

O ministro reiterou que o otimismo refletido em declarações que a epidemia estava em processo de estabilização se deve a que 70% dos hospitalizados não são casos graves, além disso, que entre os casos confirmados a última morte foi no dia 28 de abril.

 

No encontro com os meios de imprensa, o ministro afirmou que em outubro será realizada uma semana de vacinação e que aplicarão a vacina contra a gripe, embora tenha admitido que provavelmente até dezembro não haja uma vacina específica contra o novo vírus.

 

Em 23 de abril o governo decretou um alerta sanitário depois que se comprovou a presença de um vírus totalmente novo denominado vírus A (H1N1).

 

As autoridades ordenaram a suspensão de atividades escolares e acadêmicas em todos os níveis, o cancelamento de eventos esportivos, de entretenimento, culturais, religiosos, além de pedir para se paralisar todas as atividades econômicas que envolvam a concentração de pessoas.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.