Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Jaguaré bate recorde de casos de dengue

Bairro da zona oeste tem 1.010 registros por 100 mil habitantes - recorde anterior foi de 393,4 no Butantã; acima de 300 índice é alto, diz OMS

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Campeão de casos de dengue em São Paulo neste ano, o distrito do Jaguaré, na zona oeste, já registra a maior incidência da doença por bairro desde 2010, último dado disponível no site da Secretaria Municipal da Saúde.

De acordo com o mais recente balanço da Prefeitura, antecipado nesta quinta-feira, 24, pelo Estado, o distrito chegou a 1.010 casos por 100 mil habitantes neste ano. O recorde anterior de um bairro foi registrado há quatro anos, quando o Butantã, também na zona oeste, teve 393,4 casos por 100 mil habitantes. Acima de 300, o índice já é considerado alto pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em toda a cidade, foram 3.050 casos de dengue no ano, 70% a mais do que no mesmo período do ano passado e número recorde para os quatro primeiros meses do ano. O Jaguaré, que tem 0,44% da população paulistana, responde por 16% do total de casos.

Mesmo com o surto, ainda há descaso do poder municipal e da população em relação ao controle dos criadouros do mosquito Aedes aegypti. O Estado esteve no bairro ontem e encontrou vias tomadas por lixo.

Na Avenida Onófrio Milano, a montanha de sujeira e entulho é tanta que sobra apenas uma pequena faixa para a passagem de veículos. "Faz uns dois meses que está assim. A coleta fica até 15 dias sem passar", disse a estudante Viviane Albuquerque, de 17 anos.

A um quarteirão dali, na Avenida Torres de Oliveira, a situação é semelhante. "Tem um monte de potinho e latinha que juntam água quando chove e facilitam a criação do mosquito", disse o serralheiro Antonio Joaquim Vicente Junior, de 31 anos, que trabalha na frente do lixão a céu aberto. Ele pegou dengue há 15 dias. "Perdi 10 quilos nesse período porque não conseguia comer, só vomitava, era muita fraqueza", contou.

Ponto Viciado. Questionada sobre o lixo, a Prefeitura afirmou que a coleta domiciliar é feita diariamente na região. Informou também que alguns locais, como a Avenida Torres de Oliveira, recebem a Operação Cata Bagulho semanalmente. A administração disse que as avenidas citadas pela reportagem "são pontos viciosos de lixo e entulho" e é necessária a colaboração da população. O descarte irregular é crime ambiental, com multa de até R$ 15 mil.

A Secretaria da Saúde disse que continua intensificando as ações de combate aos criadouros do mosquito no bairro, com visitas domiciliares diárias. "A cada notificação, os agentes visitam a casa do doente para eliminar criadouros", disse Wilma Morimoto, da Coordenação de Vigilância em Saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.