EFE/EPA/FRANCK ROBICHON
EFE/EPA/FRANCK ROBICHON

Japão anuncia mais 44 casos de coronavírus em navio cruzeiro

Ao todo, 218 pacientes testaram positivo para o vírus e foram encaminhados para atendimento hospitalar

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2020 | 03h47
Atualizado 13 de fevereiro de 2020 | 06h39

O Ministério da Saúde do Japão anunciou que mais 44 pessoas testaram positivo para o coronavírus no navio cruzeiro Diamond Princess, que está em quarentena no país. Entre os infectados está um oficial da quarentena, elevando o total para 218.

O Diamond Princess foi colocado em quarentena por duas semanas ao chegar a Yokohama, sul de Tóquio, no dia 3 de fevereiro, depois que um homem que desembarcou em Hong Kong foi diagnosticado com o vírus. A epidemia se originou na China continental, onde mais de 1.100 pessoas já morreram com o vírus.

Cerca de 3.700 pessoas estão a bordo do navio entre passageiros e tripulação. A agência de notícias Kyodo, citando o Ministério da Saúde, disse que dos 39 casos, 10 eram tripulantes e 29 eram passageiros.

Dez eram japoneses e 11 de outros países, incluindo Estados Unidos e China. Quatro deles em estado grave, disse o ministro da Saúde Katsunobu Kato. As pessoas que testam positivo para o vírus são levadas do navio para o hospital.

O governo estava pensando em permitir o desembarque de idosos e pessoas com doenças crônicas antes da data prevista para o final da quarentena, em 19 de fevereiro, segundo alguns meios de comunicação, mas acrescentou que levaria tempo para determinar para onde poderiam ser enviados.

Cerca de 80% dos passageiros tinham 60 anos ou mais, com 215 na faixa dos 80 e 11 na década de 90, informou o jornal Japan Times em inglês.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O Ministério das Relações Exteriores divulgou na quarta-feira um aviso pedindo que seus cidadãos considerem atrasar as viagens à China e que os japoneses na China retornem para casa.

O Japão enviou quatro vôos fretados para a província chinesa de Hubei, o epicentro do surto, para que seus cidadãos retornem e planeja um quinto. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.