Japão confirma primeiros casos de transmissão de gripe suína

País asiático foi um dos que mais adotou medidas contra vírus; no mundo, mil foram infectados em um dia

Agências internacionais,

16 Maio 2009 | 11h51

O número de infectados pela gripe A (H1N1), mais conhecida como gripe suína, aumentou para 8.451 em 36 países, anunciou neste sábado, 16, a Organização Mundial da Saúde (OMS) em seu último balanço, em que foram registrados mais de mil novos casos em um dia. Ainda neste sábado, Índia, Turquia anunciaram os primeiros casos da doença e o Japão, um dos países que mais tentaram impedir que o vírus adentrasse suas fronteiras, a primeira transmissão autóctones, ou seja, quando a doença é passada dentro do território local.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde   

 

Os EUA têm 4.714 casos confirmados, incluindo cinco mortes. O México, por sua vez, já registra 2.895 casos e 66 mortes, enquanto o Canadá tem 496 infectados e uma morte. A OMS indica que os números podem ter diferenças daqueles anunciados pelos governos. Ao todo, segundo a organização, 72 já morreram pelo vírus no planeta.

 

O Japão confirmou três casos domésticos. Todos são estudantes de ensino médio que não estiveram no exterior. Autoridades japonesas disseram que estão fazendo testes em outros 14 casos suspeitos em duas cidades. Mais cinco adolescentes da mesma escola na cidade de Kobe estavam sendo testados, enquanto outros nove alunos de uma escola em Osaka eram considerados casos suspeitos da gripe.

 

O primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, pediu que os japoneses mantenham sangue frio e prometeu adotar medidas para evitar uma propagação mais ampla da doença. "Por favor, ajam calmamente ao mesmo tempo em que se mantenham alertas", disse Aso. "O governo vai realizar inspeções aprofundadas nos pacientes e nas pessoas próximas a eles. Tomaremos medidas para impedir que a infecção se espalhe."

 

Mas a ex-autoridade sênior da Organização Mundial da Saúde (OMS) Shigeru Omi, que agora comanda a força-tarefa especial para a gripe suína do governo japonês, alertou que acredita "que a infecção está começando a se espalhar na região". No dia 9 de maio, o Japão confirmou seus primeiros casos de gripe suína contraída no exterior - um professor e três estudantes que viajaram do Canadá para Tóquio, passando por Detroit (EUA) - mas imediatamente colocou em quarentena eles e outros passageiros. Todos os quatro já se recuperaram e estão ou fora do hospital ou prestes a sair em breve.

 

Turquia

 

O Ministério da Saúde turco informou que os dois primeiros casos foram detectados em passageiros que chegaram a Istambul vindos dos EUA e que tinham como destino o Iraque. Os cidadãos, cujas identidades não foram divulgadas, tinham feito escala em Amsterdã e, após chegarem a Istambul, foram internados no hospital Haseki para observações.

 

Em entrevista coletiva posterior à comunicação oficial dos casos, o ministro da Saúde, Recep Aktag, disse que o estado geral dos pacientes era satisfatório e que foi revisada a lista de passageiros do avião para comprovar se outros podem ter tido contato com os infectados. O caso de gripe suína foi detectado pelas câmaras com sensibilidade térmica que as autoridade turcas instalaram nos principais aeroportos do país e que detectam a temperatura do corpo, e possível febre, dos passageiros.

 

Índia

 

Já na Índia, o ministério da Saúde anunciou que o primeiro caso foi confirmado na cidade de Hyderabad. "Ele é um indiano", disse o secretário do ministério Vineet Choudhary. O homem estava vindo dos EUA via Dubai, com destino a Hyderabad, acrescentou Choudhary. Ele afirmou ainda que o indiano foi isolado e sua saúde está sendo monitorada.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína A (H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.