AP Photo/Eugene Hoshiko
AP Photo/Eugene Hoshiko

Japão confirma que mais 3 cidadãos evacuados de Wuhan estão com coronavírus

Diversos países do mundo têm adotado medidas de evacuação e proibições de viagens para proteger seus cidadãos

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2020 | 02h57

TÓQUIO - O Japão confirmou mais três casos do novo coronavírus entre os evacuados da cidade chinesa de Wuhan, incluindo um que inicialmente deu negativo, informou o Ministério da Saúde no sábado, 1º, elevando o total do país para 20 casos. Um dos três, um homem de 40 anos que apresentava sintomas como febre e tosse, teve primeiro resultado negativo para coronavírus, informou o ministério. Mas o homem, que foi inicialmente diagnosticado com pneumonia, confirmou mais tarde o vírus com um teste adicional.

O governo planeja enviar outro avião fretado a partir do meio da semana para trazer de volta japoneses que ainda estão na província chinesa de Hubei e na sua capital Wuhan, onde se acredita que a doença tenha se originado, disse o Ministério das Relações Exteriores no domingo. O Japão enviou um e-mail a seus cidadãos da província para lhes informar sobre seu plano e está negociando com a China sobre cônjuges chineses de cidadãos japoneses que também desejam viajar para o Japão, informou o jornal.

A China está enfrentando crescente isolamento em meio a crescentes restrições internacionais de viagens e suspensões de vôos, à medida que o número de mortos pelo surto de coronavírus aumentou para 305.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Outra evacuações

Também neste sábado, o governo mexicano disse que evacuou 10 cidadãos de Wuhan. "Trata-se de todas as pessoas naquela cidade que até então solicitaram esse apoio do governo mexicano", disse o Ministério das Relações Exteriores do México em comunicado. A agência informou que realizou a evacuação com o apoio do governo da França, embora não tenha especificado o tipo de auxílio recebido. Os passageiros chegarão primeiro no território francês, onde "seguirão os protocolos sanitários estabelecidos pelas autoridades daquele país". "O povo mexicano continuará recebendo assistência até seu subsequente retorno ao México", acrescentou.

Já a Coréia do Sul concluiu também neste sábado a evacuação de cerca de seus 330 cidadãos que estavam em Wuhan. Esse foi o segundo avião que o governo sul-coreano fretou para retirar seus cidadãos da China. Após a chegada, os evacuados tiveram que passar por exames médicos antes de serem enviados para as instalações de quarentena designadas pelo governo. Até o momento, a Coréia do Sul detectou 12 portadores do novo coronavírus em seu território.

Durante a semana, os Estados Unidos anunciaram que proibirão temporariamente, a partir de domingo, a entrada de estrangeiros que visitaram a China nos últimos 14 dias, uma medida semelhante à decretada pelo Japão, que negará temporariamente a entrada no país de estrangeiros com passaporte emitido na província chinesa de Hubei, onde está localizado Wuhan, ou que estiveram na região recentemente.

O Cazaquistão também evacuou 83 de seus cidadãos, a maioria estudantes, segundo informou o governo do Cazaquistão neste domingo. O avião também levou um número não revelado de cidadãos quirguizes, bielorrussos e armênios, informou o gabinete em comunicado. Os evacuados serão colocados em quarentena e testados, acrescentou.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro descarta, até este momento, a possibilidade de enviar aviões da Força Aérea à China para trazer de volta brasileiros que estejam na região de Wuhan. Um dos principais motivos para a atitude é a falta de uma legislação específica para lidar com casos que recomendariam a adoção de quarentena. Hoje, o País não dispõe de nenhuma lei sobre o assunto. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.