Jaxa/AP
Jaxa/AP

Japão confirma que sonda trouxe poeira de asteroide para a Terra

Este é o quarto conjunto de amostras do espaço a ser trazido para a Terra

Associated Press, AP

16 Novembro 2010 | 12h24

Uma nave japonesa que voltou para a Terra em junho conseguiu capturar com sucesso a poeira de um asteroide, feito inédito na história, informaram cientistas nesta terça-feira, 16.

 

A agência espacial japonesa, Jaxa, disse que análise das amostras trazidas pela sonda Hayabusa mostram que parte delas veio do asteroide Itokawa, e pode oferecer informações a respeito da origem e da composição do Sistema Solar.

 

Este é o quarto conjunto de amostras do espaço a ser trazido para a Terra, incluindo amostras da Lua trazidas por russos e americanos, de um cometa coletadas pela sonda Stardust e material do Sol da missão Gênesis.

 

A cápsula da Hayabusa desceu na Austrália em junho, depois de sete anos no espaço, e de percorrer 6 bilhões de quilômetros. A jornada foi marcada por problemas técnicos, que em vários momentos ameaçaram a missão.

 

"Esses resultados excederam nossas expectativas. Não sei bem como expressar algo que ultrapassa seus sonhos, mas estou muito emocionado", disse o líder do projeto, Junichiro Kawaguchi.

 

A Jaxa analisou 1.500 partículas microscópicas da cápsula e determinou que praticamente todas vieram do asteroide.

 

Lançada em 2003, a Hayabusa chegou ao Itokawa em 2005. Depois de fotografar o asteroide de 500 metros, a Hayabusa pousou duas vezes sobre ele, em novembro de 2005. A nave voltou à Terra enfrentando problemas, incluindo um vazamento de combustível e perder contato com o controle de missão.

 

A nave deveria ter disparado ma bala na superfície do asteroide e coletar os fragmentos expelidos após o impacto. Não se sabe, no entanto, se o tiro foi realizado, mas os cientistas acreditam que o mero contato do tubo coletor com a superfície do asteroide foi suficiente para forçar algum material para a câmara de coleta.

Mais conteúdo sobre:
hayabusa asteroide jaxa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.