Nasa/Divulgação
Nasa/Divulgação

Japão planeja enviar robô humanoide à Estação Espacial Internacional

Robô seria capaz capaz de comunicar-se com os astronautas, receber informação do centro de controle e até enviar mensagens pelo Twitter

Efe,

15 Fevereiro 2011 | 13h44

TÓQUIO - Japão planeja enviar um robô humanoide à Estação Espacial Internacional (ISS) capaz de comunicar-se com os astronautas, receber informação do centro de controle e até enviar mensagens pelo Twitter.

 

Veja também:

link Obama propõe congelar orçamento da Nasa no próximo ano

link Foguete da Nasa pode se tornar táxi espacial

 

Um porta-voz da Agência de Prospecção Aeroespacial do Japão (Jaxa) indicou nesta terça-feira, 15, à Agência Efe que o projeto levará cerca de um ano, durante o qual serão examinados detalhes técnicos como o tamanho do androide, que poderia ter altura inferior a meio metro.

 

O objetivo é criar um robô capaz de comunicar-se com os astronautas e combater os problemas de isolamento, uma função que no futuro poderia ser aplicada com robôs utilizados no cuidado de idosos, disse o porta-voz. Embora Jaxa não tenha detalhado a possível data de envio à ISS, a edição digital do jornal "Nikkei" indica nesta terça que poderia ser a partir do ano de 2013.

 

Assinala que o robô poderá medir o nível de estresse dos habitantes da ISS com base em suas expressões faciais e tom de pele, além de receber instruções do centro de controle enquanto os astronautas dormem e comunicá-las quando acordem.

 

O projeto está sendo desenvolvido pela Jaxa em colaboração com a Universidade de Tóquio e a empresa japonesa Dentsu. O envio à ISS do robô espacial japonês seguirá um projeto similar da Nasa, que em fevereiro deve enviar o androide Robonaut (R2) à estação, para ajudar nos trabalhos de manutenção.

 

Desenvolvido pela Nasa e empresa General Motors, Robonaut se transformará no primeiro androide em viajar ao espaço e, como o que prepara Japão, terá inclusive sua própria conta no Twitter para narrar sua aventura espacial.

Mais conteúdo sobre:
ciênciaISS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.