Japão será o 1º a ter vacinação em massa contra vírus H5N1

Inicialmente, teste será feito em médicos, inspetores de quarentena e funcionários de alfândegas

Efe,

16 de abril de 2008 | 06h43

Um plano do Ministério da Saúde japonês para vacinar este ano seis mil médicos e pessoal sanitário contra a gripe aviária transformará o Japão no primeiro país a ter uma campanha de vacinação em massa contra esta doença, segundo a edição desta quarta-feira, 16, do diário Asahi Shimbun. Veja tambémCoréia do Sul desinfeta área com foco de gripe aviária O ministro da Saúde, Yoichi Masuzoe, afirmou que serão coletados dados para avaliar a efetividade e a segurança do programa de vacinação, incluindo seus possíveis efeitos colaterais. Estas vacinas serão criadas a partir das cepas do vírus H5N1 encontradas na China, Vietnã e Indonésia, países nos quais ocorreram vários casos de gripe aviária. Quando completar o programa, o Japão será o primeiro país a iniciar uma vacinação em massa contra uma possível mutação do vírus da gripe aviária e sua transmissão entre humanos. O ministério da Saúde concluiu que o Japão deve liderar a pesquisa contra essa doença, porque o país está muito perto da região do sudeste asiático, a que mais sofre com a gripe aviária. Serão vacinados médicos, inspetores de quarentena e funcionários de alfândegas. Para comprovar a eficácia da vacina, o Ministério realizará exames de sangue para obter dados sobre os anticorpos produzidos pela vacina. Se for confirmada a eficácia e segurança da vacina, o Ministério considerará a possibilidade de testá-la em outras 10 milhões de pessoas, um coletivo que incluiria pessoal sanitário, policiais e parlamentares. O Governo japonês armazenou vacinas para 20 milhões de pessoas. Os testes clínicos não mostraram qualquer efeito colateral das vacinas, cuja produção já foi aprovada. O nível de alerta por gripe aviária no Japão está na fase 3 de uma escala de 6, estipulada pela Organização Mundial da Saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe aviáriaJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.