Japonesa de 61 anos dá à luz o próprio neto, informa clínica

Partos por "barriga de aluguel" não são ilegais no Japão, mas são muito raros e mal vistos pela opinião pública

AP-AE,

21 de agosto de 2008 | 14h22

Uma mulher de 61 anos deu à luz o próprio neto, a partir de um óvulo doado pela filha, informou uma clínica nesta quinta-feira, 21. Acredita-se que ela seja a mulher mais velha a passar por um parto no país. A mulher mais velha a dar à luz no mundo é uma romena, que teve gêmeos aos 67 anos.   Partos por "barriga de aluguel" não são ilegais no Japão, mas são extremamente raros e condenados pelas associações profissionais da área de saúde. A Clínica Maternidade Suwa, em Nagano, noroeste de Tóquio, recusou-se a fornecer detalhes como a data do nascimento e o sexo do bebê. O noticiário local diz que a criança nasceu há um ano.   A clínica disse ter realizado o procedimento porque a filha da mulher não tem útero, mas não explicou a causa dessa condição.   "Tanto a mãe substituta quanto o bebê estão bem", disse a porta-voz da clínica, Chihiro Netsu.   O médico Yahiro Netsu, que dirige a clínica, desafia há tempos a oposição da opinião pública japonesa a esse tipo de procedimento, argumentando que mulheres estéreis deveriam ter a opção aberta.   Em 2001, ele realizou o que se acredita tenha sido o primeiro parto bem-sucedido com "barriga de aluguel" do Japão. Em 1998, Netsu foi expulso da associação de ginecologistas do Japão por realizar fertilizações in-vitro com gametas de homens e mulheres que não eram casados entre si. Ele foi aceito de volta na associação tempos depois.

Tudo o que sabemos sobre:
mãe de alugueljapãofertilização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.