Dado Ruvic/ Reuters
Dado Ruvic/ Reuters

Johnson & Johnson diz que revisão de caso que interrompeu testes de vacina pode levar dias

Estudo foi suspenso após doença inexplicada em um participante; empresa diz que pausas são normais em testes grandes

Reuters, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2020 | 13h00

A Johnson & Johnson informou nesta terça-feira que deve demorar alguns dias até que um comitê de monitoramento de segurança avalie os testes clínicos de sua candidata a vacina contra coronavírus, após anunciar que o estudo foi suspenso devido a uma doença considerada inexplicada em um participante.

A medida ocorre cerca de um mês depois de a AstraZeneca também suspender temporariamente testes clínicos de sua vacina experimental contra coronavírus, que usa uma tecnologia semelhante, devido ao adoecimento de um participante. Na segunda-feira, a J&J disse que a doença está sendo investigada por uma comissão independente de monitoramento de dados e segurança, além dos médicos clínicos e de equipe de segurança do grupo norte-americano.

Mathai Mammen, chefe de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos da J&J, disse que a empresa informou ao conselho de segurança sobre o participante do ensaio no domingo. O conselho pediu mais informações, que estão sendo coletadas pela empresa para responder as perguntas. "Levará alguns dias, no mínimo, para que o conjunto certo de informações seja coletado e avaliado", disse Mammen durante uma teleconferência para discutir os resultados trimestrais da empresa.

Ele afirmou que, devido ao formato do estudo, a empresa ainda não sabe se o doente recebeu a vacina ou um placebo. A J&J informou que tais pausas são normais em testes grandes, que podem incluir dezenas de milhares de pessoas. Ela acrescentou que a "pausa de estudo" voluntária na administração de doses da candidata a vacina é diferente de uma "suspensão regulatória" imposta pelas autoridades de saúde.

Em setembro, a AstraZeneca interrompeu testes de estágio avançado de sua vacina experimental contra coronavírus desenvolvida com a Universidade de Oxford devido a uma doença inexplicável em um participante do estudo britânico. Embora os testes da AstraZeneca no Reino Unido, Brasil, África do Sul e Índia tenham recomeçado desde então, seu teste nos Estados Unidos ainda está suspenso à espera de uma análise regulatória.

As vacinas da J&J e da AstraZeneca se baseiam no chamado adenovírus, um vírus modificado inofensivo que instrui as células humanas a produzirem defesas contra o vírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.