Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Jovem com Down promove campanha e faz Google mudar definição da síndrome no site de buscas

Trissomia do cromossomo 21 agora é definida como 'condição genética', e não mais a 'distúrbio' ou 'doença'

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2021 | 18h27

Ao pesquisar sobre síndrome de Down no Google, a influencer Vitória Mesquita, 22 anos, fez uma cara de espanto: a trissomia do cromossomo 21 aparecia ao lado de palavras como “distúrbio” e “doença” na ferramenta de buscas. A jovem, que tem a síndrome e não é doente, registrou sua indignação em um vídeo e publicou nas redes sociais. Nos dias que se seguiram, sua postagem ganhou força e motivou milhares de pessoas a mobilizarem a campanha #atualizagoogle, hashtag criada para chamar a atenção da gigante de tecnologia sobre o tema. Deu certo. Agora, definição sobre síndrome de Down no Google passou a ser "condição genética". 

 


A jovem do Distrito Federal usa a internet para conscientizar seus milhares de seguidores sobre inclusão e discriminação de pessoas com deficiência. Em vídeos divertidos — naquele estilo popularizado pelo TikTok —, ela combate o capacitismo, termo usado para descrever abordagens pejorativas sobre quem tem condições especiais. Segundo o que ela diz em suas postagens, é justamente o que acontecia com os resultados do Google, dado que a classificação da síndrome de Down como doença é, além de desconcertante, incorreta.

"Eu não tenho doença, minha saúde é muito boa", Vitória disse ao Estadão. "Faço exercício, yoga, meditação, dança, ando de skate e não me sinto doente." A influencer acrescenta que a definição correta da síndrome contribui para que as famílias saibam lidar com o assunto da maneira correta, além de evitar estigmas na sociedade.

“Resolvemos, então, movimentar uma campanha para que o maior site de busca do mundo altere a definição da T21 (síndrome de Down) para o que realmente é: alteração genética no cromossomo 21! #atualizagoogle”, ela escreveu, em julho, no Instagram

A mobilização gerou resultado. Após ser compartilhado por outros influenciadores, o vídeo chegou ao Google, que corrigiu a definição mostrada na busca. A vitória foi comemorada não apenas pela Vitória, com V maiúsculo, mas por outras pessoas que têm síndrome de Down e são constrangidas por erros como aquele que motivou a campanha. “Ufa, até que enfim!”, escreveu a influenciadora Tathi Piancastelli nos comentários. “Eu compartilhei muito, fico feliz por todos e pela minha pequena Luna, quando ela crescer vou mostrar como foi feito para que a informação fosse corrigida”, disse outra seguidora.

“Pode parecer pouca coisa, mas a diferença no conceito de deficiência e doença pode impactar e muito na forma como famílias e a sociedade lidam com a trissomia do cromossomo 21”, explica Vitória. "Deficiência é diferente de doença, e as pessoas precisam aprender isso", diz.

Ela, que se descreve como criadora de conteúdo, aproveita a atenção gerada pela campanha para continuar informando sobre sua condição genética no perfil que criou com sua irmã. Em agosto, usou o espaço para responder à afirmação do ministro da Educação, Milton Ribeiro, de que crianças com deficiência poderiam "atrapalhar" o aprendizado em salas de aula. Em outra postagem, ela brinca com os comentários capacitistas que costuma ouvir durante jogos de futebol. Como diz sua apresentação no Instagram, seu objetivo é “desmistificar a síndrome de Down com alegria”.

Procurado pela reportagem, o Google afirmou que suas informações sobre saúde vêm de terceiros, e que leva em consideração os relatos de usuários alertando sobre definições desatualizadas ou incorretas. "O conteúdo dos nossos Painéis de Informações sobre saúde vêm de parceiros com os quais trabalhamos em todo o mundo, incluindo o Hospital Israelita Albert Einstein no Brasil. Esse conteúdo foi revisado e atualizado pelo nosso parceiro e agora está refletido na Busca. A qualquer momento, nossos usuários podem relatar informações incorretas ou desatualizadas e enviar seus comentários aqui, o que nos ajuda a melhorar os resultados no futuro."

Tudo o que sabemos sobre:
síndrome de Down

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.