Justiça dá 72 horas para Prefeitura do Rio abrir postos de saúde

Mortes sobem para 79 na cidade - um aumento de 32% em uma semana; campanha quer evitar perda de turistas

Solange Spigliatti, estadao.com.br

10 de abril de 2008 | 11h19

A juíza da 18a. Vara Federal do Rio de Janeiro, Regina Coeli Medeiros de Carvalho, determinou o prazo de 72 horas para que se proceda a abertura da totalidade dos postos de saúde do município do Rio. A medida da Justiça Federal foi anunciada nesta quinta-feira, 10. Os casos de dengue no Rio aumentaram 32% em apenas uma semana. Nesse período, mais 12 mortes foram confirmadas, aumentando de 67 para 79 o número de óbitos. Outros 80 estão sendo investigados. Foram registrados 18.389 novos casos, totalizando 75.399 ocorrências da doença. O Estado divulga semanalmente os dados consolidados dos 92 municípios fluminenses.  VEJA TAMBÉMEntenda a doença e veja os números Dengue pode trazer prejuízos ao setor de Turismo no RJ Para tentar conter a epidemia e diminuir a letalidade da doença, o governo estadual abriu desde o início do ano 505 novos leitos e 10 tendas de hidratação, que recebem apenas pacientes com suspeita de dengue. 'Na semana passada, tínhamos 314 pacientes na fila de espera por internação, das quais 174 eram crianças. Hoje não temos nenhuma', disse o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, que admite que a epidemia ainda está no ápice. Em apenas um dia, de terça-feira para quarta-feira, foram registrados mais de 2 mil novos casos de dengue no município do Rio, onde a epidemia é mais grave. Até quarta-feira, havia 45.463 casos confirmados e 46 mortos só na capital.O governador Sérgio Cabral Filho publicou na quarta-feira, no Diário Oficial, um decreto que concede gratificação de R$ 500 aos bombeiros que atuarem no combate à dengue, com efeito retroativo a 1º de março. Cerca de 500 homens das Forças Armadas começaram a vistoriar as casas em busca de focos da dengue. Os 300 soldados do Exército visitaram imóveis em Realengo, na zona norte do Rio. Duas equipes de cem homens cada, da Marinha e da Aeronáutica, foram a residências da Ilha do Governador, também na zona norte. Turismo A Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) vai iniciar na próxima semana ações promocionais em Minas e São Paulo para evitar a perda de turistas no Rio, no feriado de Tiradentes, por causa da epidemia de dengue. Até agora, as pré-reservas correspondem a 45% da ocupação da rede hoteleira. Nos anos anteriores, a 15 dias do feriado esse índice era de cerca de 55%. 'Caso a ocupação durante o feriado fique nesse patamar, de cerca de 50%, os prejuízos para o Rio de Janeiro, tanto na rede hoteleira, como no turismo receptivo, podem chegar a R$ 100 milhões. Mas acredito que vamos alcançar a meta de 80% com as ações promocionais', disse Alfredo Lopes, presidente da ABIH. (Colaboram Fabiana Cimieri e Clarissa Thomé, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.