Justiça libera venda de toxina para paralisia cerebral

A Justiça Federal em Brasília negou um pedido de liminar numa ação civil pública movida contra a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Laboratório Cristália, que comercializa a toxina botulínica Prosigne para o tratamento de pacientes com paralisia cerebral. A Justiça considerou que o registro da substância na Anvisa obedeceu todos os critérios técnicos e liberou a comercialização do produto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.