Laboratório Abbott suspende produção e venda do remédio Reductil no País

Medicamento para perda de peso contém sibutramina, proibida nos EUA e Europa e restrita aqui

estadão.com.br

24 Novembro 2010 | 19h31

SÃO PAULO - O laboratório Abbott decidiu na última terça-feira suspender, voluntariamente, a produção e a venda do medicamento Reductil (monoidrato de sibutramina) no mercado brasileiro.

A sibutramina, substância usada para perda de peso, já foi proibida nos Estados Unidos e na Europa e restrita desde março pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Agora, para consumir o remédio, que passou a ter tarja preta, é preciso mostrar a receita azul, numerada.

Os pacientes que quiserem interromper o tratamento com Reductil podem fazê-lo a qualquer momento. No entanto, é recomendado marcar uma consulta médica para discutir alternativas ao emagrecimento.

Dúvidas de médicos e pacientes podem ser esclarecidas por meio da Central de Relacionamento da Abbott, no 0800 703-10-50, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h.

A decisão da Abbott sobre o Reductil teve como base a revisão dos dados de um estudo com 10 mil pacientes por mais de 6 anos, requisitado pelas autoridades regulatórias europeias como um compromisso para avaliar a segurança cardiovascular em pessoas de alto risco. O levantamento mostrou que o medicamento traz maior risco a pessoas propensas.

Segundo o laboratório, a maioria dos pesquisados tinha histórico de doença cardiovascular e não deveria consumir a sibutramina, de acordo com as indicações da bula.

O Reductil foi aprovado no Brasil para perda de peso em pacientes obesos ou com sobrepeso, sem histórico de doença cardiovascular e que não tenham conseguido emagrecer por meio de dieta e exercícios físicos.

Mais conteúdo sobre:
Reductil sibutramina Abbott perda de peso

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.