Laboratório descobre proteína contra leishmaniose e malária

O Laboratório de Imunologia da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília conseguiu sintetizar uma proteína da secreção que sai da pele da perereca Phyllomedusa hypochondrialis. O objetivo é desenvolver um antibiótico para ser usado nas fases graves da leishmaniose e da malária. Chamada de filosseptina, a substância mostrou-se eficiente contra bactérias em testes feitos pelo Laboratório de Imunologia da universidade. Agora novas experiências estão sendo feitas in vitro para confirmar a ação antimicrobiana e verificar sua toxicidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.