Lago na Argentina pode trazer pistas sobre origem da vida na Terra

Bactérias de lá sobrevivem a falta de oxigênio, radiação ultravioleta e altas concentrações de arsênico

REUTERS

11 de agosto de 2010 | 19h05

A bióloga Maria Eugenia Farias recolhe amostra de água em cratera vulcânica. Enrique Marcarian/Reuters

 

Um lago no noroeste da Argentina pode trazer pistas sobre a origem da vida na Terra e sobre como micro-organismos poderiam sobreviver em outros planetas, dizem cientistas.

 

Estudo brasileiro reforça hipótese de que vida na Terra veio do espaço

 

Pesquisadores encontraram milhões de bactérias "superpoderosas" dentro do Lago Diamante, no centro de uma gigantesca cratera vulcânica localizada a mais de 4.700 metros acima do nível do mar.

 

O hábitat é semelhante à Terra primordial, antes que os primeiros organismos vivos começassem a injetar oxigênio na atmosfera.

 

As condições - que incluem altos níveis de arsênico e de materiais alcalinos - também podem lançar luz sobre as condições de vida além da Terra.

 

"Isto é de grande interesse científico e uma janela para olhar para o nosso passado e também para uma ciência chamada astrobiologia, o estudo da vida em outros planetas", disse Maria Eugenia Farias, parte da equipe que descobriu as formas de vida do lago Diamante.

 

Se bactérias  são capazes de viver ali, especula-se, também poderiam sobreviver em Marte.

 

Seres chamados "extremófilos", que prosperam em condições extremas demais para as formas de vida consideradas normais, já foram descobertos em outras localidades, e podem ter significativo valor comercial.

 

Mas a pesquisadora disse que as bactérias do lago, chamadas poliextremófilas, são ainda mais excepcionais, porque prosperam em circunstâncias das mais adversas.

 

"O que temos aqui é uma série de condições extremas reunidas num só lugar. E isto é o que torna este lugar único no mundo", afirma a cientista.

 

O lago tem nível de arsênico 20.000 vezes superior ao considerado seguro para água potável, e sua temperatura muitas vezes cai abaixo de zero. Mas como a água é extremamente salgada, a água nunca se solidifica.

 

O DNA das bactérias sofre mutações para resistir à irradiação por ultravioleta e ao nível baixo de oxigênio da grande altitude.

Tudo o que sabemos sobre:
astrobiologiaargentinaextremófilos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.