Lançamento do Endeavour é adiado por problemas técnicos

A Nasa adiou o lançamento do ônibus espacial Endeavour de sexta-feira para ao menos até segunda-feira porque os aquecedores de uma das unidades de energia da nave apresentaram falha cerca de quatro horas antes da decolagem.

IRENE KLOTZ, REUTERS

29 Abril 2011 | 16h05

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a família dele deveriam comparecer ao lançamento, para o qual se calculava a presença de 750 mil espectadores na costa central da Flórida.

Entre os espectadores, estaria a deputada norte-americana Gabrielle Giffords, mulher do comandante do Endeavour, Mark Kelly. Giffords foi gravemente ferida durante uma tentativa de assassinato em 8 de janeiro e desde então não é vista em público.

O Endeavour foi abastecido com 500 mil galões de oxigênio líquido e de hidrogênio líquido nos preparativos para o lançamento às 16h47 (no horário de Brasília). Os astronautas estavam a caminho para a plataforma de lançamento quando os diretores decidiram adiar o voo.

"Infelizmente para a equipe (do Endeavour), para Mark Kelly e sua tripulação, mas hoje (sexta-feira) o módulo não está pronto para voar e como nós sempre dizemos nesse negócio, não voaremos antes de estarmos prontos", afirmou o diretor de lançamento, Mike Leinbach.

O Endeavour levará um importante experimento à Estação Espacial Internacional.

A missão é a 134a e a penúltima do programa de ônibus espaciais dos Estados Unidos, que terminará depois que o Atlantis levar um carregamento neste verão (do Hemisfério Norte).

O Endeavour -- que substituiu o Challenger, destruído num acidente fatal no lançamento em 1986 -- é o mais novo dos três ônibus espaciais remanescentes da Nasa e o segundo a ser aposentado.

O Discovery voltou de sua última missão espacial em março e o Atlantis deverá encerrar o programa de 30 anos com um lançamento no dia 28 de junho. O ônibus Columbia foi destruído por causa de uma falha no protetor térmico enquanto voava pela atmosfera para aterrissar em 2003.

O último voo do Endeavour tem como missão equipar a Estação Espacial com um detector de partículas de 2 bilhões de dólares, o chamado Espectrômetro Magnético Alfa. A estação é um projeto de 100 bilhões de dólares mantido por 16 países.

(Reportagem adicional de Alister Bull)

Mais conteúdo sobre:
CIENCIAENDEAVOURADIAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.