Leitor supera sedentarismo e corre meia maratona

Leitor supera sedentarismo e corre meia maratona

‘A corrida é meu momento de meditação’, afirma Izaias Santos

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2017 | 16h00

Izaias Santos sempre praticou esportes quando jovem, mas perdeu esse costume ao entrar na vida adulta. Ele se viu sedentário por 20 anos e só retornou à atividade física quando a mulher decidiu se tornar mais saudável. O leitor conta que sofreu muito para voltar a se exercitar e prestou seu relato ao Viver Melhor. Confira:

“Sempre pratiquei esportes, mas depois que comecei a trabalhar, eu fiquei muito sedentário. Antes eu culpava minha profissão e o fato de morar em Mogi das Cruzes e trabalhar em São Paulo. Foram uns 20 anos de sedentarismo ou aquela coisa de ‘atleta de fim de semana’.  Percebi que era desculpa, pois mudei para São Paulo em 2009 e continuava sedentário.

Minha esposa também era sedentária. Pois bem, em abril de 2014 ela decidiu que iria começar a se exercitar com um personal trainer que é marido de uma amiga nossa. Ela nunca gostou daquele ambiente de academia e, para dizer a verdade, eu também não. Achei o personal uma excelente ideia, porque seria um profissional dando suporte e na academia do prédio. Ninguém ia ficar olhando se meu tênis era novo ou se minha camiseta era dessa ou daquela marca. Eu percebi que, para que ela não desistisse, pois nunca gostou de fazer exercícios, eu precisava ir junto. 

Meu retorno aos exercícios depois de muitos anos foi horrível. Andava na esteira a 6 km/h e já estava com a língua para fora. Corria 500 metros e já estava quase morrendo. E o dia seguinte, então? Dores, dores e mais dores musculares. Não vou negar que houve horas em que pensei em desistir mas eu sabia que se desistisse minha esposa também iria desistir por isso fui em frente e treinamos até hoje.

Comecei a ver os resultados rapidamente. Em um ano já tinha perdido 10 quilos. Em dois anos, perdi 18 quilos. Tive que trocar praticamente o guarda-roupa inteiro. No começo, correr para mim, foi muito difícil. A primeira vez que corri 5 km foi uma vitória muito grande. A primeira vez que corri 10 km foi minha medalha de ouro. Eu estava sozinho, ninguém correu comigo no Parque do Povo. Foi uma sensação incrível. 

Puxa vida, em 2014 eu não conseguia correr 500 metros e em 31 de julho de 2016 fiz minha primeira meia-maratona. Hoje não consigo me imaginar ficar sem correr. Não é só pelo prazer ou porque virou um vício, é um meio de vida mesmo. É saber que aquilo me faz bem para o corpo e para a alma. A corrida é meu momento de meditação. 

Correr pra mim é espetacular, é deixar todos os problemas para trás, lá na linha de partida. Aprendi, sem dúvida alguma, que o mais difícil para se viver melhor é dar o primeiro passo e levantar do sofá.” 

Mais conteúdo sobre:
Viver Melhor saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.