Lembranças são reforçadas enquanto dormimos, descobre pesquisa

Segundo estudo, memórias são mais fortes e precisas quando induzidas durante os sono dos participantes

Efe,

24 Janeiro 2011 | 11h09

LONDRES - Lembrar enquanto dormimos é muito mais eficiente do que quando estamos acordados, segundo um estudo realizado pela Universidade de Basileia e publicado neste domingo pela revista Nature em sua versão na internet. Segundo os especialistas liderados por Björn Rasch, reforçar uma lembrança enquanto dormimos pode fixá-la melhor.

 

Veja também:

link Sono ajuda o cérebro a 'selecionar' memórias, diz estudo

link Cochilo de seis minutos pode melhorar memória, diz estudo

link Uma hora de sesta pode deixar as pessoas mais inteligentes

link Falta de sono reduz capacidade de aprendizado do cérebro

link Efeitos do despertar de sono profundo são piores que embriaguez

 

No estudo, os especialistas treinaram a memória dos participantes. Eles aprenderam a relacionar um cheiro à localização de um objeto, de modo que ao sentir o cheiro lembrariam imediatamente onde o objeto estava.

 

Uma vez fixada a ligação cheiro-objeto, o reforço da lembrança é praticado em alguns participantes enquanto dormiam, liberando nesse momento o cheiro em questão, e em outros, enquanto estavam acordados.

 

Após este experimento descobriram que as pessoas que tiveram a memória reforçada durante o sono lembravam depois com mais precisão a localização do objeto.

 

Por outro lado, a lembrança dos participantes que tinham sido submetidos ao teste enquanto estavam acordados tinha perdido intensidade e foi mais fraca que a do outro grupo.

 

Para documentar melhor a descoberta, os especialistas realizaram uma ressonância magnética nos pacientes. Assim demonstraram que as partes do cérebro ativadas enquanto usavam a lembrança eram diferentes dependendo se o sujeito estava dormindo ou não.

 

A descoberta pode ter implicações clínicas no campo da neurociência para o tratamento de diversos transtornos, como o estresse pós-traumático.

Mais conteúdo sobre:
memóriaestudosono

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.