Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

Leve queda em novos casos de covid-19 não é motivo para comemoração, diz Opas

Entidade declarou que, apesar de diminuição em alguns países da região, mortes no continente pelo novo coronavírus correspondem a 64% do total mundial

Mílibi Arruda, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2020 | 13h25

O diretor-assistente da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, afirmou nesta terça-feira, 18, que discreta tendência de queda no número de novos casos de covid-19 registrada em alguns países na América Latina não significa melhora efetiva.

“Há países que começaram, ao menos nas últimas duas semanas, a demonstrar tendência discreta de redução no número de casos, mas não há nada para se comemorar”, disse Barbosa durante coletiva de imprensa do braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas.

Ele acrescentou que os países devem continuar trabalhando e aplicando as medidas recomendadas para atingir a supressão da transmissão comunitária do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Na última semana, o diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da entidade, Marcos Espinal, afirmou que embora dados da doença no Brasil apontem para um achatamento da curva, não há consistência nos registros por falta de testes

País registrou média móvel de 43.846 novos casos por dia nas últimas duas semanas, de acordo com levantamento realizado pelo EstadãoG1, O Globo, Extra, Folha e UOL . No total nacional, são quase 3,4 milhões de infecções confirmadas e mais de 108 mil mortes.

Nesta terça-feira, Barbosa também explicou que, muitas vezes, os números referentes a uma nação não refletem o que está acontecendo internamente, já que um estado ou região pode apresentar diminuição de casos enquanto outro enfrenta aumento.

Ele indicou que as autoridades nacionais avaliem a situação da pandemia por localidades menores para, inclusive, aplicar medidas com mais precisão.

A diretora da Opas, Carissa Etienne, disse que as Américas já somam 11,5 milhões de casos de Sars-CoV-2 e as 400 mil mortes registradas no continente correspondem a 64% do total mundial. “A região continua a concentrar a carga mais pesada da covid-19 mundialmente”.

Ela apontou que Estados Unidos e Brasil permanecem como nações mais afetadas, mas regiões como o Caribe, antes estáveis, tem demonstrado aumento no número de infecções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.