Líder de quadrilha de ladrões de cadáveres declara-se culpado

Quadrilha atuava nos EUA em conjunto com funerárias, retirando tecidos para venda a serviços de saúde

29 de agosto de 2008 | 18h23

omem por trás de um esquema para saquear cadáveres e vender pedaços e tecidos para empresas de suprimentos médicos declarou-se culpado, nesta sexta-feira, em acusações que poderão levá-lo à prisão perpétua.   O réu Michael Mastromarino, de 44 anos, declarou-se culpado em centenas de casos de vilipêndio de cadáver, falsificação, roubo e outros crimes. O processo contra ele surgiu da investigação de uma operação  que, segundo as autoridades, ele dirigia com os administradores de três casas funerárias.   Mastromarino ganhou milhões de dólares com o esquema, que também envolvia funerárias de Nova York e New Jersey, disseram promotores.   O advogado do réu, A. Charles Peruto Jr., descreveu o esquema como movido por ganância, e com uma lucratividade tão alta que era difícil parar. "Você fica só recebendo o dinheiro", disse ele, após a audiência judicial desta sexta-feira.   Os corpos eram abertos sem permissão e não passavam por triagem médica. Pedaços foram vendidos para uso em implantes denários, substituição de joelhos e quadril e outras cirurgias.   Cerca de 10 mil pessoas receberam tecidos humanos fornecidos pela empresa de Mastromarino, a Biomedical Tissue Services. Algumas alegam ter contraído doenças dos tecidos contaminados.   O réu já havia se declarado culpado de corrupção empresarial, roubo de cadáver e negligência perigosa em Nova York, Estado onde foi condenado a 54 anos de cadeia.   Na Filadélfia, Mastromarino enfrenta o risco de uma pena de prisão perpétua e mais de US$ 18 milhões em multas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.