Yonhap via Reuters
Yonhap via Reuters

Líder de seita responsável por disseminar coronavírus na Coreia do Sul testa negativo para a doença

Centenas de membros da Igreja de Jesus de Shincheonji, localizada na cidade de Daegu, estão infectados

Reuters, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2020 | 15h34

SEUL - O presidente da Coreia do Sul Moon Jae-in declarou guerra ao coronavírus nesta terça-feira, 3, ordenando ampliação no número de leitos hospitalares e a fabricação de mais máscaras. O país apresenta 5.186 casos da doença, o maior número fora da China

“O país inteiro entrou em guerra à doença infecciosa desde que a crise em Daegu e Gyeongbuk atingiu seu ápice”, falou o presidente em uma reunião em seu gabinete, referindo-se ao epicentro do coronavírus no país.

O vírus originado na China no fim do ano passado começou a se espalhar rapidamente na Coreia do Sul depois de entrar na congregação de uma seita cristã na cidade de Daegu, a Igreja de Jesus de Shincheonji. O chefe sul-coreano de controle de doenças Jeong Eun-kyeong disse que os cultos da igreja, onde milhares de pessoas se sentam no chão, ombro a ombro, por horas, podem ter contribuído para os surtos.

O líder da igreja e auto-proclamado messias Lee Man-hee testou negativo para o vírus na segunda-feira, 2. Ele seria preso caso se recusasse a fazer o exame. Lee já havia se desculpado pelo papel da seita na disseminação do vírus e chamou a epidemia de “grande calamidade”.

O prefeito de Daegu falou a repórteres que pediu ao presidente mais três mil quartos hospitalares para dar conta do crescente número de infectados pelo coronavírus. Para amenizar as consequências da doença no país, que é a quarta maior economia da Ásia, o governo prometeu apoio aos pequenos negócios atingidos pela epidemia. 

O presidente Moon também ordenou que máscaras fossem estocadas como um item estratégico, assim os fornecedores podem aumentar sua produção sem medo de produzir excedentes. O país vem registrando intensa procura pelo produto, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmar que pessoas saudáveis só precisam usar máscara se estiverem cuidando de alguém que está doente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.