REUTERS/Denis Balibouse
REUTERS/Denis Balibouse

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Líderes políticos precisam mobilizar sociedade para combater coronavírus, diz OMS

Organização Mundial da Saúde ressalta que lideranças políticas devem ser capazes de orientar comunidades e estimular a adoção de posturas corretas contra o vírus

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2020 | 15h29

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta quarta-feira, 25, que os políticos precisam liderar suas comunidades e mobilizá-las para frear o avanço da pandemia do coronavírus. Ele também enfatizou que a batalha contra o coronavírus é papel de todos os cidadãos. 

"A liderança política é chave e precisa ser capaz de mobilizar comunidades para assumirem suas partes e fazerem as coisas corretas para suprimir e controlar essa pandemia", afirmou Tedros após ser questionado sobre as declarações do presidente Jair Bolsonaro, na terça, quando criticou o fechamento de escolas, a paralisação do comércio e o isolamento social em Estados como São Paulo. "O governo inteiro deve estar envolvido. O vírus não vai ser parado apenas pelo setor de saúde". 

De acordo com os dados mais recentes da OMS, o coronavírus já contaminou 413.367 pessoas e causou 18.433 mortes. O diretor da OMS ressaltou que confia nos governos para tomarem as atitudes corretas de enfrentamento ao vírus, lembrou que as UTIs estão lotadas em muitos países e enfatizou que a doença é séria. Tedros destacou ainda que a humanidade já superou outras pandemias antes e que vai superar essa também, mas que é preciso ter a confiança das populações locais. 

"Precisamos de confiança das comunidades para elas estarem mobilizadas e fazerem suas partes. Isso é papel de todo mundo. Já perdemos mais de 16 mil vidas. Sabemos que perderemos mais - quantas mais serão determinadas pelas decisões e ações que tomamos". 

O líder da OMS também elogiou o presidente Donald Trump, que disse na terça que o bloqueio nos Estados Unidos poderia acabar até a Páscoa. "Ele está fazendo tudo o que pode. Acredito que esse tipo de compromisso político pode trazer mudanças ou parar essa pandemia". 

Tedros reforçou a necessidade de os países adotarem medidas de distanciamento social e restrição de circulação de pessoas. O diretor da OMS lembrou que 150 países ainda têm menos de 100 casos, recomendando ações agressivas para que essas nações consigam prevenir a transmissão local. "Medidas agressivas para identificar, isolar, testar, tratar e rastrear (os contaminados) não são apenas a melhor e mais rápida saída de restrições sociais e econômicas extremas. Elas também são a melhor maneira de evitá-las". 

A entidade fez ainda recomendações sobre como atacar com o vírus. Primeiro, sugeriu expandir, treinar e capacitar profissionais da saúde. Além disso, recomendou a implementação de um sistema amplo capaz de identificar os casos suspeitos em nível local e também a elevação da produção, da capacidade e da disponibilidade de realizar testes. 

A OMS também orientou os países a prepararem as estruturas hospitalares para casos de eventualidades. "Em muitos países, o número de casos saltou e eles não estavam preparados", afirmou Tedros. "Preparar o sistema de saúde é muito, muito importante". 

Orientações da OMS aos países: 

1 - Expandir, treinar e capacitar a força de trabalho na área da saúde pública;

2 - Implementar um sistema para encontrar todos os casos suspeitos no nível local;  

3 - Aumentar a produção, capacidade e disponibilidade de realizar testes;

4 - Identificar, adaptar a equipar as instalações onde serão tratados e isolados os pacientes;

5 - Desenvolver um planejamento claro para a quarentena;

6 - Reorientar todo o governo para suprimir e controlar a pandemia 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.