Aris Oikonomou/AFP
Aris Oikonomou/AFP

Líderes subestimaram o coronavírus, diz presidente da Comissão Europeia

Para Ursula von der Leyen, esse é um vírus que manterá os gestores ao redor do mundo ocupados por um "longo tempo"

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2020 | 03h48

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, admitiu que os líderes políticos subestimaram a magnitude do perigo representado pela nova pandemia de coronavírus. A declaração foi dada em entrevista publicada nesta quarta-feira, 18, pelo jornal alemão Bild.

"Acho que todos nós que não somos especialistas subestimamos o coronavírus", disse von der Leyen. Para a presidente da Comissão, “ficou claro que este é um vírus que nos manterá ocupados por um longo tempo”. "Entendemos que todas essas medidas, que pareciam drásticas e draconianas duas ou três semanas atrás, devem ser tomadas agora", afirmou, lembrando que a Europa é "neste momento o epicentro da crise".

No entanto, ela refutou o termo "guerra" contra o vírus, usado esta semana pelo presidente da França, Emmanuel Macron. "Pessoalmente, eu não usaria o termo guerra, mas entendo a motivação do presidente francês porque o coronavírus é um adversário preocupante", disse.

Restrições de viagem

Após proposta de Ursula von der Leyen, os países da União Europeia (UE) decidiram, na terça-feira, 17, proibir por 30 dias a entrada de pessoas que não pertencem ao bloco, com o objetivo de conter a disseminação da pandemia do novo coronavírus. A decisão foi tomada durante reunião entre os líderes por videoconferência. O continente europeu é o novo foco da doença e o número de casos e de mortes pela covid-19 já é maior do que na China, onde a epidemia teve início. 

“Quanto menos viagens, mais conseguimos conter o vírus”, disse a presidente da Comissão Europeia. A intenção é que o bloqueio tenha efeito limitado e permita o fluxo de remédios e profissionais da área de saúde. “Equipes essenciais, como médicos, enfermeiras, cuidadores, pesquisadores e especialistas que ajudarem a combater o coronavírus devem continuar a serem aceitos na UE.”

Mais de 50 países já restringiram as fronteiras a estrangeiros por causa da pandemia. A covid-19, segundo boletim da Organização Mundial da Saúde (OMS), já atingiu 151 nações e territórios. As primeiras estratégias de controle de acesso ou suspensão de voos tinham como alvo a China. Com a disseminação da doença nas últimas semanas, no entanto, os controles de fronteiras envolvem número cada vez maior de países.

Na última segunda-feira, 16, a OMS voltou a pedir mais ações dos países para conter a pandemia. "Todos os países, sem exceção, devem tomar as medidas mais ousadas possíveis para interromper ou conter a ameaça do vírus", disse Hans Kluge, da OMS, em um apelo à Europa. / AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.