SUSAN HORTAS/PMS
SUSAN HORTAS/PMS

Litoral e interior de SP registram surtos de gripe; Ilhabela volta a exigir máscara

Cidades já estão preparando unidades de saúde para atendimento exclusivo de pacientes com sintoma gripal

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2021 | 05h00

Correções: 24/12/2021 | 17h00

Como no auge da pandemia de covid-19, pacientes com sintomas de gripe agora estão lotando hospitais e unidades de saúde em várias cidades do Estado de São Paulo. Alguns municípios já preparam a volta das tendas para atender os casos de influenza. Os surtos se espalham pelo interior e a Baixada Santista, agravados pela maior circulação da variante do vírus H3N2, que ainda não é combatida pela vacina. Prefeituras estão destinando unidades de saúde para atendimento exclusivo de pacientes com sintoma gripal.

O secretário de Saúde de Santos, Adriano Catapreta, usou as redes sociais para anunciar a instalação de tendas em frente às Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Leste e Central. Um ginásio poliesportivo será usado como centro de triagem para pacientes com gripe. O local servirá para a triagem dos pacientes com sintomas gripais que procurarem atendimento na UPA da Zona Noroeste, localizada ao lado.

"É significativo o aumento do número de pacientes procurando a rede de saúde da cidade com sintomas gripais. Se aparecerem sintomas, fique em casa e, se eles se agravarem, procure o atendimento médico", recomendou. Ele ressaltou que as internações ainda não aumentaram, pois são, na maioria, casos leves. O município pediu um reforço de 70 mil doses de vacina ao Estado.

Em São José do Rio Preto, o secretário de Saúde, Aldenis Borim, disse que a cidade vive surto de gripe e que os hospitais infantis estão lotados. Ele pediu que a população use máscara, álcool em gel e evite aglomerações. "Estamos praticamente sem vagas (nos hospitais), precisamos de maneira geral que a população colabore para a gente não ter problemas de falta de leitos." 

No último fim de semana, o Hospital da Criança e Maternidade de Rio Preto, administrado pelo Estado, registrou lotação máxima nos 30 leitos de UTI e enfermaria por causa de casos de infecções pulmonares. Anteontem, a ocupação na UTI havia recuado para 90% e a enfermaria, para 60%. 

Jundiaí registrou aumento de 70% nos atendimentos a pessoas com sintomas de gripe nos três últimos dias. Enquanto a média da semana passada foi de 400 pessoas por dia, entre 20 e 22 de dezembro, a média superou 700 pessoas.

"Para acelerar o atendimento, Jundiaí ampliou em 30% os equipamentos dedicados exclusivamente para o acolhimento aos sintomáticos gripais, com acolhimento adulto e infantil", disse em nota. 

Grande SP

Em Guarulhos, na região metropolitana da capital, o surto de gripe lotou as unidades de saúde. Vídeos publicados em redes sociais mostraram pacientes deitados em gramados ou no chão na UPA do bairro Cidade Soberana e na Policlínica do Jardim Paraventi. Havia também pessoas aglomeradas em calçadas e corredores, em espera de até três horas pelo atendimento. 

A prefeitura informou que houve um grande aumento de pacientes com sintomas gripais. De 1º de dezembro até o último dia 21 foram feitos 13 mil atendimentos, incluindo casos da H3N2. Esse balanço não inclui as redes estadual e privada.

Em Taboão da Serra, também na região metropolitana, moradores com sintomas de gripe reclamaram de superlotação e demora para atendimento na UPA Akira Tada, a principal da cidade. Alguns relatos dão conta de espera de até seis horas. A prefeitura informou que os atendimentos na UPA, no Pronto Socorro Municipal (PSM Antena) e no Pronto Socorro Infantil registraram aumento de 100% devido aos surtos de gripe H3N2 e do vírus respiratório VSR, que atinge crianças. Diante do aumento durante a semana, mais um médico foi contratado.

Máscara de novo

O recente surto do vírus influenza H3N2 levou a prefeitura de Ilhabela, no litoral norte, a recuar na medida que desobrigava o uso de máscara em locais abertos. 

Novo decreto assinado quarta-feira pelo prefeito Toninho Colucci (PL) determina que a proteção facial é obrigatória em todos os lugares, inclusive nas praias. O uso da máscara estava liberado desde o dia 20 de novembro.

A prefeitura chegou a ser notificada pelo governo paulista devido ao descumprimento do decreto que obriga usar máscara em todo o Estado. A desobediência motivou procedimento de investigação do Ministério Público de São Paulo. No entanto, segundo o prefeito, o que o levou ao recuo foi, além do maior risco de transmissão da gripe, a variante Ômicron da covid-19, já que Ilhabela recebe turistas internacionais. 

Correções
24/12/2021 | 17h00

Diferentemente do informado na versão original da matéria, o ginásio poliesportivo não será usado como hospital de campanha, mas centro de triagem para pacientes com gripe. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.