Divulgação
Divulgação

Com divulgação nas redes sociais e sigilo sobre endereço, festas clandestinas driblam fiscalização

Organizadores têm estrutura cada vez mais elaborada para manter os locais de aglomerações secretos. Diretora da Vigilância Sanitária pede ajuda da população

João Prata, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2020 | 20h00

Os organizadores de festas clandestinas têm conseguido driblar a fiscalização das autoridades de saúde e de segurança pública graças às redes sociais e a uma estrutura cada vez mais elaborada para manter secreto o local do evento. Maria Cristina Megid, diretora da Vigilância Sanitária do governo estadual, reconheceu que não está sendo fácil coibir essas festas e pediu ajuda para a população. 

“A gente tem tido muita dificuldade para identificar esses locais. Temos recebido algumas denúncias e pedido apoio da segurança pública. Conseguimos desmobilizar algumas, mas outras não. Quem tem consciência do momento que estamos passando e sabe que essas festas são situações de risco, que denuncie. A identidade será preservada”, disse ao Estadão. Segundo ela, a população pode denunciar festas clandestinas e outras aglomerações por telefone (3065-4666) ou e-mail (secretarias@cvs.saude.sp.gov.br).

Os métodos para organizar as festas clandestinas são semelhantes. O evento costuma ser divulgado de maneira online. O convite fica disponível para visualização de qualquer um no Instagram e no Facebook, com data, horário, valor do ingresso e o lineup de quem vai tocar. A única informação restrita é o local, divulgado apenas horas antes.

O local que aparece no convite nem sempre é o correto. Um promotor de eventos, que pediu para não ser identificado, foi no mês passado à festa LGBT chamada Indústria, que acontece duas vezes por mês - uma em São Paulo e outra, no Rio de Janeiro. Cada vez em um lugar diferente, geralmente em pontos afastados do centro. 

Despistando

A edição de novembro em São Paulo aconteceu em um sítio próximo da Represa do Guarapiranga. “Fomos ao endereço indicado, paramos o carro no estacionamento. Ali havia organizadores espalhados dando informações divergentes. Numa tentativa de despistar a fiscalização, acredito. Indicavam um lugar errado, você se perdia e voltava. Aí indicavam o certo”, comentou. “Devia ter umas 4 a 5 mil pessoas na festa. Todas já chegavam sem máscara e não havia distanciamento nenhum. Lá dentro, todo mundo junto, se abraçando, se beijando. Como se não existisse o coronavírus.” 

Na festa de dezembro da Indústria, no último domingo, os organizadores enviaram o endereço falso. No local indicado, um funcionário indicava o lugar certo. O DJ Yan Goedertt divulgou em sua página no Instagram um vídeo da festa. No local, é possível ver milhares de pessoas aglomeradas, sem máscaras. 

Na mensagem, o DJ agradece ao organizador Paulo Galdino. Em todos os convites de divulgação aparece o nome de Galdino e também o número e a conta corrente em diferentes bancos, onde os interessados em ir à festa devem depositar o dinheiro do ingresso. O Estadão tentou contato com Galdino pelos telefones divulgados no convite e pelas redes sociais, mas não teve retorno.

O promotor de eventos destacou que, por ser clandestina, há uma precariedade nos serviços oferecidos e também no cuidado com os participantes da festa. “Me informei das pessoas que estavam trabalhando no evento. Era uma rede de amigos e parentes que estava ali para colaborar. Mas não eram profissionais. Em um momento da festa, duas pessoas estavam passando mal em um camarote. Uma amiga, que é médica, tentou entrar no camarote para ajudar e não conseguiu. Depois de um tempo, apareceram os bombeiros e essas pessoas foram levadas para o que deveria ser um ambulatório. Minha amiga foi junto. Era uma tenda, com alguns colchões no meio de um gramado, e mais nada. Não havia remédio, nada.”

‘Celebrar a vida’

A festa Rolezera, que já acontecia eventualmente antes da pandemia, teve uma edição marcada para o último sábado. Para burlar a fiscalização, não se informou no convite o local e foi criado um site para venda de ingressos - o acesso à página era feito apenas com senha. No WhatsApp, a mensagem para divulgar o evento começava assim: “Não podíamos deixar de juntar nossos amigos pra nos despedir desse ano atípico né? Celebrar a vida e a amizade, com muita música e energia boa.”

Desde o dia 30 de novembro, todo o Estado de São Paulo está na fase 3 (amarela) do Plano São Paulo. Festas e aglomerações estavam proibidas mesmo na fase 4 (verde). Em julho, Doria já havia anunciado que a celebração pública do ano-novo na capital, na Avenida Paulista, estava cancelada.

A diretora Megid informa que o organizador da festa e o dono do local podem ser enquadrados no art. 268 do Código Penal, que prevê detenção de 1 mês a 1 ano e multa. Na coletiva do governo estadual, na sexta-feira, ela disse que a fiscalização de bares, festas e eventos noturnos será intensificada e que já foram feitas 1,2 mil autuações por aglomerações ou não uso de máscara em estabelecimentos comerciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.