Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Lote com mais 2 milhões de doses da Coronavac chega a São Paulo

De acordo com o governo de SP, Instituto Butantã já tem 3,12 milhões de doses da vacina prontas para uso imediato; início da vacinação depende de aprovação da Anvisa

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2020 | 08h31

O terceiro lote da Coronavac, com 2 milhões de doses prontas da vacina contra a covid-19, chegou a São Paulo na manhã desta sexta-feira, 18. O Instituto Butantã, que desenvolve o imunizante em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, deve pedir autorização de uso emergencial da Coronavac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 23 de dezembro.

De acordo com o Governo de São Paulo, com a chegada do novo lote, o Butantã já tem 3,12 milhões de doses da Coronavac prontas para uso imediato após aprovação da Anvisa, que estabeleceu dez dias para a avaliação do pedido. 

Segundo Dimas Covas, diretor do Butantã, 9 milhões de doses da vacina devem estar disponíveis a partir do dia 15 de janeiro, antes da data divulgada anteriormente pelo governo de São Paulo, que previa iniciar a vacinação em 25 de janeiro.

As 3,12 milhões de doses já prontas são suficientes para imunizar o primeiro grupo prioritário definido pelo Estado de São Paulo, formado por profissionais de saúde, indígenas e quilombolas, num total de 1,5 milhão de pessoas. A vacina é aplicada em duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas.

A primeira remessa chegou ao Brasil em novembro, com 120 mil doses da vacina. No início deste mês, o Butantã recebeu 600 litros de insumos para fabricação da Coronavac no País. Cerca de 40 milhões de doses devem ser produzidas pelo instituto até o fim de janeiro. 

Os resultados da fase 3 de estudos clínicos da Coronavac, que determinam a eficácia do imunizante, ainda não foram divulgados. As etapas anteriores mostraram que a vacina é segura e capaz de produzir respostas imunes.

Em audiência no Senado nesta quinta-feira, 17, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo federal está “partindo para um contrato” com a Sinovac e o Butantã para garantir 9 milhões de doses da vacina em janeiro. A estimativa é de que a vacinação deve começar em “meados” de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.