Lula se diz favorável às pesquisas com células-tronco

O presidente disse que não poderia firmar expectativas com relação a uma votação do tema no STF

Elizabeth Lopes, da Agência Estado,

04 de março de 2008 | 14h58

residente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que gostaria que o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovasse as pesquisas com células-tronco embrionárias no julgamento desta quarta-feira, 5.  Os 11 ministros do tribunal irão decidir, em plenário, se as pesquisas com células-tronco embrionárias são constitucionais.    Opine - Células-tronco embrionárias devem ser usadas em pesquisas?   VEJA TAMBÉM    75% dos brasileiros apóiam uso de células-tronco, diz Ibope  STF julga se pesquisa com células-tronco é inconstitucional  Advogados evitam apelo religioso no caso de pesquisa com embriões  Artigo dos ministros José Gomes Temporão e Sergio Rezende  Como se usam as células-tronco    Apesar da afirmação, Lula disse que não poderia firmar expectativas com relação a uma votação do supremo. "Cada ministro está bem preparado para votar", justificou. Mas, voltou a se posicionar: "Particularmente, sou favorável à aprovação (das pesquisas) da célula-tronco."  A respeito deste tema, Lula disse ainda que o mundo não pode prescindir de um conhecimento científico que pode salvar muitas vidas. E voltou a dizer que não iria comentar nada transitado e julgado no Supremo.   As afirmações do presidente Lula sobre as pesquisas com células-tronco foram feitas em rápida entrevista coletiva concedida em Campinas, após inauguração do Centro de Nanotecnologia César Lattes, que funciona no complexo do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LMLS).    No discurso que fez da inauguração do laboratório, Lula classificou seu governo e sua equipe ministerial da seguinte maneira: "Somos vendedores de esperança e de oportunidades para os jovens e para o nosso País."  O presidente citou que até 2010 seu governo continuará criando novas universidades, escolas técnicas e extensões universitárias em todo o País. "Vamos inaugurar até 2010 mais 10 universidades federais, 48 extensões universitárias".   Além disso, citou que seu governo irá construir, em oito anos, 214 escolas técnicas.  Ao discursar, Lula disse que estava quebrando protocolo porque seu pronunciamento não estava previsto. E brincou: "Estou quebrando protocolo porque o meu ministro (da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende) não falou do PAC da Ciência, Tecnologia e Inovação e eu preciso falar porque de vez em quando tenho a impressão de que as pessoas no Brasil têm ojeriza por notícias boas".   E voltou a fazer uma alusão ao futebol para exemplificar se raciocínio: "Tem tipo de gente que vai ao estádio de futebol só para mostrar os maus momentos." E citou os investimentos de R$ 41,5 bilhões que sua administração está fazendo na área de ciência e tecnologia até 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
lulacélulas-troncojustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.