JPL/Nasa
JPL/Nasa

Luz do Sol cria e separa pares de asteroides, mostra estudo

Energia solar acelera rotação até que parte do asteroide se desprenda e escape lentamente para o espaço

estadão.com.br, estadão.com.br

25 de agosto de 2010 | 15h19

A luz do Sol faz com que asteroides se dividam em dois e depois se separem, diz trabalho publicado na edição desta semana da revista Nature.

 

Veja também:

link Sonda europeia fotografa asteroide Lutécia de perto pela primeira vez

linkCientistas acham partículas em cápsula japonesa que viajou a asteroide

 

"Isto mostra que os asteroides não são corpos inertes, mortos e desinteressantes", disse, por meio de nota, um dos autores do estudo, Franck Marchis, da Universidade da Califórnia e da Busca por inteligência Extraterrestre (Seti). "De fato, os pequenos asteroides evoluem lentamente em binários e, por fim, em binários divorciados".

Marchis e o colega Brent Macomber analisaram dois pares de binários "divorciados", pares de asteroides que não mantêm mais ligação gravitacional entre si.

 

O trabalho de ambos contribuiu para análise, realizada por astrônomos na República Checa, da evolução de 35 pares de binários divorciados. O líder do grupo,  Petr Pravec, de 25 coautores publicaram o resultado, mostrando que todos os pares têm massa e velocidade relativa similares, o que sugere uma origem comum.

 

Do total estimado em 1 milhão de asteroides com 1 km ou mais de diâmetro que orbita o Sol, muitos parecem ser "pilhas de entulho", aglomerados de rochas menores unidos pela gravidade. Pesquisas prévias mostraram que pilhas com menos de 10 km de diâmetro podem ter a rotação acelerada pelo chamado Efeito Yorp (de Yarkovsky-O'Keefe-Radzievskii-Paddack), um desequilíbrio no qual a diferença entre a luz absorvida por um lado de um asteroide e o calor irradiado pelo outro faz o astro girar.

 

O processo, que ocorre ao longo de milhões de anos, foi comparado a uma versão em câmera lenta da forma como um moinho de vento reage à passagem do ar.

 

À medida que o asteroide acelera na rotação, seu equador incha e as rochas no limite extremo acabam atingindo velocidade de escape e se desconectam. Essas rochas desconectadas se unem numa pequena lua e, ao longo de milhões de anos, asteroide e lua se separam.

Mais conteúdo sobre:
asteroidesnature

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.