Macacos com sintomas de febre amarela alarmam Argentina

Autoridades sanitárias iniciaram um "bloqueio epidemiológico" na zona onde apareceram os macacos mortos

Efe

17 de dezembro de 2008 | 20h05

As autoridades de Misiones, província do nordeste argentino na fronteira com o Brasil e o Paraguai, intensificaram as medidas contra a febre amarela, após a descoberta de mais de 20 macacos mortos com sintomas dessa doença. Segundo informa nesta quarta-feira, 17, a imprensa local, a preocupação aumentou nos últimos dias, porque alguns dos animais mortos foram encontrados nas cercanias de Posadas, capital de Misiones, a cerca de 1.000 quilômetros de Buenos Aires e vizinha à paraguaia da Encarnación. Diante desta situação, as autoridades sanitárias iniciaram um "bloqueio epidemiológico" na zona onde apareceram os macacos mortos, que compreende tanto a vacinação da população quanto a detecção de casos suspeitos. Além disso, foram intensificadas as fumigações e outras medidas para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti, cuja picada transmite a febre amarela e também a dengue. "São tomadas medidas semelhantes às tomadas a partir de janeiro deste ano", quando a doença se propagou pelo Brasil, Paraguai e nordeste argentino, disse o subsecretário de Saúde de Misiones, Carlos Báez, ao jornal El Território. A febre amarela é uma doença viral aguda e infecciosa que é conhecida por esse nome devido aos sinais de icterícia que afetam alguns pacientes.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdefebre amarelaArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.