PREFEITURA DE IPATINGA/DIVULGAÇÃO
PREFEITURA DE IPATINGA/DIVULGAÇÃO

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Macacos são achados mortos com suspeita de febre amarela em MS

Região faz fronteira com Minas Gerais, onde ao menos 32 mortes foram confirmadas, e com o Estado de São Paulo, que já registra 3 óbitos

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

25 de janeiro de 2017 | 17h53

SOROCABA - Quatro macacos foram encontrados mortos com suspeita de febre amarela em Aparecida do Taboado, região norte de Mato Grosso do Sul, e deixaram em alerta a Secretaria de Saúde do Estado. Equipes da Vigilância Epidemiológica estão no município para investigar os casos. A região faz divisa com o Estado de Minas Gerais, onde ao menos 32 mortes foram confirmadas, e com o Estado de São Paulo, que já registrou três mortes. Em Mato Grosso do Sul, o último óbito por febre amarela foi registrado em 2015.

Três primatas morreram em uma fazenda, na zona rural, nos últimos 15 dias. A dona da propriedade enterrou os animais, o que impossibilitou a coleta de material para exames. Ela entrou em contato com a Vigilância depois de ser alertada sobre os casos de febre amarela nos Estados vizinhos. O quarto macaco foi achado morto em outra mata da região, mas não pode ser examinado porque estava em decomposição.

Nesta quarta-feira, 25, especialistas em doenças de animais de Campo Grande e Três Lagoas iniciaram a instalação de armadilhas nas matas a fim de capturar macacos para exames. A Secretaria de Saúde do Estado informou que não há casos da doença no Estado e dispõe de 60 mil vacinas em estoque para atender a população de risco nos 79 municípios.

Franca. Depois que um homem de 52 anos morreu, em um hospital da cidade, este mês, e teve a causa confirmada como febre amarela, a Secretaria de Saúde de Franca, no interior de São Paulo, divulgou nota nesta quarta-feira, 25, esclarecendo que o paciente adquiriu a doença em Delfinópolis, no Sul de Minas Gerais, onde morava. 

Conforme a secretaria, o paciente já estava doente quando foi transferido para Franca. No hospital, o quadro de saúde se agravou e ele foi a óbito. A morte foi contabilizada pela Secretaria de Saúde da cidade mineira. A pasta de Franca esclareceu que ainda não houve caso suspeito da doença na cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.