Madri prega fim de beijos e apertos de mão contra a gripe

Para divulgar a campanha, o Conselho de Medicina de Madri instalou em sua sede um banner de 30 metros

EFE,

07 Agosto 2009 | 17h38

o beije, não aperte a mão, diga olá" é o slogan que o Conselho de Medicina de Madri decidiu adotar para conter a gripe suína e lembrar à população que o melhor método para evitar a propagação do novo A(H1N1) é evitar o contato físico com outras pessoas.

 

EUA desaconselham fechamento de escolas por gripe H1N1

 

"Neste momento, o melhor remédio para a pessoa não se contaminar ou propagar o vírus é a prevenção", afirmou à Agência Efe a presidente do conselho, Juliana Fariña, que também é catedrática e chefe do serviço de Anatomia Patológica do Hospital Clínico da Universidade San Carlos.

 

Juliana disse que a população deveria se inspirar na saudação japonesa e apenas inclinar a cabeça ao cumprimentar outras pessoas. Segundo ela, os espanhóis, "feliz ou infelizmente", são muito propensos "frequentar lugares muito movimentados" e "a tocar e a beijar mesmo pessoas que quase não conhecem".

 

Para divulgar a campanha que está lançando, Conselho de Medicina de Madri instalou em sua sede um banner de 30 metros com o slogan "Não beije, não aperte a mão, diga olá".

 

Escrito com letras verdes, "como símbolo de esperança", o painel ficará fixado pelo "tempo que for necessário".

 

A médica admitiu que há algum tempo já tinha comentado sobre o slogan com a ministra da Saúde, Trinidad Jiménez, e com um representante do setor da Comunidade Autônoma de Madri.

 

Para Juliana, lavar sempre as mãos, uma das principais medidas contra a gripe recomendadas pelas autoridades de saúde, é "mais difícil de cumprir" que simplesmente saudar pessoas dizendo "Olá!".

 

Embora sem saber se seu slogan será adotado por outros conselhos médicos, a especialista espera que ele ajude a população a adquirir "um hábito essencial" à contenção da doença.

 

No último dia 3, morreu em Gerona (Catalunha, nordeste), a oitava vítima da gripe na Espanha, uma mulher de 35 anos.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.