Frederic J. BROWN / AFP
Frederic J. BROWN / AFP

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Maior fabricante de álcool em gel aumenta produção de 120 mil para 6 milhões

Para atender a nova demanda, a força de trabalho foi ampliada em cerca de 50% e a produção passou a ser ininterrupta

Vinicius Valfré, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 14h00
Atualizado 16 de março de 2020 | 22h41

BRASÍLIA — A produção da Companhia Nacional do Álcool (CNA), maior fabricante brasileira de álcool em gel, vai saltar de 120 mil frascos de 400 gramas por mês (antes da epidemia de coronavírus) para mais de 6 milhões em março, segundo estimativa da empresa. A oferta de itens plásticos necessários ao envasamento das garrafas já começa a sentir o excesso de demanda. 

Em fevereiro, quando foi confirmado a primeira infecção no Brasil, 1,2 milhão de unidades haviam sido produzidas. A CNA contratou mais 100 funcionários neste início de ano. Eles se juntaram a outros 300 para uma produção ininterrupta ao longo das próximas semanas.

A demanda por álcool em gel deve ser ainda maior nos meses seguintes. Por isso, a empresa planeja iniciar a quarta e a quinta linhas de fabricação em abril e alcançar, na primeira semana do mês, 400 mil frascos por dia. "Nossa preocupação é conseguir atender ao mercado dentro de uma crise tão grave", afirmou o presidente da empresa, Leonardo Ferreira. A companhia tem cerca de 70% do mercado dos produtos de álcool.

Fabricante de Minas Gerais, a Start Química também precisou aumentar a produção de maneira abrupta. A fabricação tanto de frascos de álcool em gel para limpeza quanto para a eliminação de germes triplicou. "Conseguimos aumentar a capacidade, mas sabemos que a demanda é bem maior que isso", comentou Marcos Pergher, diretor da empresa. 

Ambas as fabricantes garantem que não repassaram preços. Por outro lado, alertam para riscos de desabastecimento de alguns insumos. Na CNA, as tampas e os recipientes de parte dos frascos fabricados foram alterados porque não há oferta suficiente de itens usados na produção regular. Também não está descartada a necessidade de carbômeros de qualidade inferior - produto químico que dá o aspecto viscoso ao líquido.

"Usamos carbômero de boa qualidade. Num caso extremo, posso usar um de segunda linha. Talvez o álcool em gel não fique tão translúcido, fique mais turvo. Pode ser que daqui a algumas semanas a gente mude. Mas isso não muda a eficácia do produto", disse Ferreira. "Já estamos receosos, se continuar nesse ritmo acreditamos que vai faltar válvulas e recipientes", pontuou Pergher.

Em várias cidades do País há relatos de desabastecimento de álcool em gel em farmácias e supermercados. Especialistas orientam que lavar bem as mãos com água e sabão também é medida eficaz para prevenir a contaminação. 

Para conter a disseminação da epidemia, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) emitiu orientações aos estabelecimentos. Entre elas, a de que clientes comprando antitérmicos e antigripais deverão ser abordados para identificação de eventuais sintomas compatíveis como os do coronavírus. Além disso, as gôndolas de autoatendimento das farmácias deverão ser desinfetadas frequentemente.

O presidente do Conselho da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Marcos de Marchi, informou que, até o momento, não há relatos de falta de insumos ou de matérias-primas.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.