Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Mais de 22 milhões de crianças no mundo não receberam vacinação básica em 2011

Crianças não receberam as três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche, consideradas essenciais durante o primeiro ano de vida

Agência Brasil,

06 Novembro 2012 | 18h02

 Mais de 22 milhões de crianças em todo o mundo não receberam, em 2011, as três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche, consideradas essenciais durante o primeiro ano de vida. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com o levantamento, cerca de metade dessas crianças vive na Índia, na Indonésia e na Nigéria, onde os programas de imunização são prejudicados por problemas como fornecimento insuficiente de doses e falta de acesso das populações mais vulneráveis.

O balanço indica que o cenário global de vacinação infantil progrediu nos últimos dois anos, uma vez que, há 40 anos, menos de 5% das crianças em todo o mundo eram imunizadas contra as três doenças. No ano passado, quatro em cada cinco receberam as doses recomendadas.

“Vacinar essas crianças para protegê-las da difteria, do tétano e da coqueluche, assim como da catapora, da poliomielite e de outras doenças preveníveis, é vital para mantê-las vivas e saudáveis”, informou o órgão.

A estimativa é que 130 milhões de crianças nasçam todos os anos no mundo e que os programas de imunização salvem a vida de 2 a 3 milhões delas.

A OMS lembrou que reforçar a vacinação infantil é tarefa crucial para que se consiga alcançar um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio que trata da redução em dois terços das mortes de crianças menores de 5 anos até 2015 (em relação a 1990).

Mais conteúdo sobre:
vacina OMS crianças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.